sicnot

Perfil

Mundo

Ministro grego das Finanças visita várias capitais europeias, incluindo Lisboa

O ministro grego das das Finanças, Euclide Tsakalotos, inicia na sexta-feira uma deslocação de seis dias a várias capitais europeias, incluindo Lisboa, para conversações sobre a necessidade de aliviar a dívida grega, anunciou hoje o seu gabinete.

Ministro grego das Finanças, Euclide Tsakalotos (Reuters)

Ministro grego das Finanças, Euclide Tsakalotos (Reuters)

© Eric Vidal / Reuters

A Grécia chegou a acordo com os credores em julho para um terceiro programa de resgate em cinco anos, no montante de 86 mil milhões de euros, aceitando em troca lançar várias reformas económicas e sociais.

Os representantes dos credores - Banco Central Europeu, Comissão Europeia, Mecanismo Europeu de Estabilidade e Fundo Monetário Internacional (FMI) - vão regressar a Atenas a partir de 18 de janeiro para fazer uma primeira avaliação dos progressos alcançados em seis meses.

O sucesso desta avaliação poderá permitir a abertura de negociações sobre um alívio da dívida grega, que representa atualmente perto de 200% do Produto Interno Bruto (PIB).

Tsakalotos tenciona visitar Roma, Lisboa, Paris, Helsínquia, Amesterdão e Berlim para se reunir com os seus homólogos, Pier Carlo Padoan, Mário Centeno, Michel Sapin, Alexander Stubb, Jeroen Dijsselbloem e Wolfgang Schäuble.

"Tsakalotos vai discutir o programa europeu, tendo em vista a primeira avaliação e a questão da dívida grega", precisou um comunicado do Ministério das Finanças citado pela AFP.

O Presidente grego, Prokopis Pavlopoulos, deverá reunir-se em Berlim ainda este mês com a chanceler alemã, Angela Merkel.

Antes de começar avaliação do programa, os gregos devem chegar a acordo para uma revisão do sistema de pensões e o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, já indicou que não aceitará exigências que não considere razoáveis.

Atenas também mostrou recentemente reservas quanto a possibilidade de o FMI continuar a participar no programa, tendo a organização liderada por Christine Lagarde, do ponto de vista grego, exigências sociais demasiado drásticas. No entanto, do lado europeu, algumas opiniões, como a da Alemanha, defendem que o FMI deve continuar no programa.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.