sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos criam célula para lutar contra radicalização extremista

A Casa Branca anunciou hoje a criação de uma célula para lutar contra o extremismo violento e a radicalização de indivíduos nos Estados Unidos, na sequência dos atentados "jihadistas" de Paris e San Bernardino (Califórnia).

© Jonathan Ernst / Reuters

O objetivo desta célula é "integrar e harmonizar" os esforços desenvolvidos neste sentido, em território norte-americano, por diferentes agências federais, afirmou Ned Price, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional (NSC).

"Os terríveis atentados em Paris e em San Bernardino evidenciaram a necessidade, para os Estados Unidos e para os nossos parceiros na comunidade internacional e no setor privado, de recusar aos movimentos extremistas como o Estado Islâmico (EI) um terreno fértil para o recrutamento" de operacionais, disse Price.

Este anúncio surge numa altura em que vários responsáveis da Casa Branca estão reunidos em Silicon Valley (Califórnia) com os gigantes da Internet (Facebook, Google, Twitter, Youtube) para analisar como responder à utilização das redes sociais pelo EI.

Estas diferentes iniciativas refletem "o compromisso do presidente (Barack) Obama em tomar todas as medidas possíveis para responder e impedir atividades terroristas onde estiverem a ser desenvolvidas, incluindo 'online'", acrescentou o porta-voz do NSC em comunicado.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.