sicnot

Perfil

Mundo

Obama não apoiará candidatos que se oponham a maior controlo de venda de armas

O Presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu, na quinta-feira, não fazer campanha ou votar em qualquer candidato a seu sucessor que não apoie uma maior regulamentação de venda de armas.

© Kevin Lamarque / Reuters

Num artigo publicado antes de participar num fórum sobre o tema, o democrata garantiu que votará contra membros do seu próprio partido, se necessário.

"Além de continuar a tomar todas as medidas possíveis como Presidente, vou também tomar todas as medidas que puder enquanto cidadão", escreveu, num artigo de opinião publicado pelo jornal The New York Times.

"Não vou fazer campanha, votar ou apoiar qualquer candidato, mesmo do meu partido, que não apoie uma reforma de bom senso [à regulamentação da venda] de armas", afirmou.

Essa lista pode incluir a senadora democrata Heidi Heitkamp, da Dacota do Norte, que votou contra uma reforma em 2013.

No mesmo artigo, o Presidente norte-americano admitiu que "reduzir a violência com armas será difícil".

"É claro que uma reforma baseada no bom senso não vai acontecer com este Congresso, não vai acontecer durante a minha presidência", escreveu.

"Apesar disso há passos que podemos tomar para salvar vidas, e todos nós -- no Governo, no setor privado ou como cidadãos -- temos um papel", indicou o Presidente.

O artigo surge dois dias depois de Obama anunciar a sua intenção de avançar com decretos executivos para aumentar o recurso à verificação de antecedentes criminais na venda de armas entre particulares.

Até agora, apenas os vendedores de armas com licença federal estavam obrigados a verificar os antecedentes dos compradores. As regras atuais não abrangiam os mercados informais como feiras ou os 'sites' na Internet.

As medidas apresentadas por Obama acabam por ter um caráter limitado, uma vez que os conselheiros presidenciais consideraram que ações como estabelecer unilateralmente a universalidade da verificação dos antecedentes ou proibir os carregadores de munições de alta capacidade extravasavam a autoridade legal do Presidente.

Estas medidas surgiram após um chumbo do Congresso, controlado pelos republicanos nas duas câmaras desde 2014, a reformas à regulamentação da venda de armas e controlo dos antecedentes penais e psicológicos, apresentadas depois do tiroteio no colégio Sandy Hook, em finais de 2012, em que morreram 20 crianças.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.