sicnot

Perfil

Mundo

Obama não apoiará candidatos que se oponham a maior controlo de venda de armas

O Presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu, na quinta-feira, não fazer campanha ou votar em qualquer candidato a seu sucessor que não apoie uma maior regulamentação de venda de armas.

© Kevin Lamarque / Reuters

Num artigo publicado antes de participar num fórum sobre o tema, o democrata garantiu que votará contra membros do seu próprio partido, se necessário.

"Além de continuar a tomar todas as medidas possíveis como Presidente, vou também tomar todas as medidas que puder enquanto cidadão", escreveu, num artigo de opinião publicado pelo jornal The New York Times.

"Não vou fazer campanha, votar ou apoiar qualquer candidato, mesmo do meu partido, que não apoie uma reforma de bom senso [à regulamentação da venda] de armas", afirmou.

Essa lista pode incluir a senadora democrata Heidi Heitkamp, da Dacota do Norte, que votou contra uma reforma em 2013.

No mesmo artigo, o Presidente norte-americano admitiu que "reduzir a violência com armas será difícil".

"É claro que uma reforma baseada no bom senso não vai acontecer com este Congresso, não vai acontecer durante a minha presidência", escreveu.

"Apesar disso há passos que podemos tomar para salvar vidas, e todos nós -- no Governo, no setor privado ou como cidadãos -- temos um papel", indicou o Presidente.

O artigo surge dois dias depois de Obama anunciar a sua intenção de avançar com decretos executivos para aumentar o recurso à verificação de antecedentes criminais na venda de armas entre particulares.

Até agora, apenas os vendedores de armas com licença federal estavam obrigados a verificar os antecedentes dos compradores. As regras atuais não abrangiam os mercados informais como feiras ou os 'sites' na Internet.

As medidas apresentadas por Obama acabam por ter um caráter limitado, uma vez que os conselheiros presidenciais consideraram que ações como estabelecer unilateralmente a universalidade da verificação dos antecedentes ou proibir os carregadores de munições de alta capacidade extravasavam a autoridade legal do Presidente.

Estas medidas surgiram após um chumbo do Congresso, controlado pelos republicanos nas duas câmaras desde 2014, a reformas à regulamentação da venda de armas e controlo dos antecedentes penais e psicológicos, apresentadas depois do tiroteio no colégio Sandy Hook, em finais de 2012, em que morreram 20 crianças.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.