sicnot

Perfil

Mundo

Rusga policial na sede do partido pró-curdo da Turquia em Istambul

A polícia antiterrorista turca deteve hoje em Istambul diversos responsáveis locais do principal partido pró-curdo do país, alvo de recentes e acesas críticas do Presidente islamita-conservador Recep Tayyip Erdogan.

Ao início da manhã, as forças da ordem irromperam nas instalações do Partido Democrático dos Povos (HDP, de esquerda e pró-curdo) no distrito de Beyoglu, na margem europeia da grande metrópole turca, e bloquearam os acessos ao local, referiu a agência noticiosa AFP.

A polícia confiscou numerosos documentos e nove pessoas foram detidas, incluindo um dos responsáveis do partido, Rukiye Demir, referiu por sua vez a agência noticiosa turca Dogan.

Num comunicado citado pelos media turcos, a direção da polícia de Istambul indicou ter detido seis pessoas.

A operação foi desencadeada no âmbito de um inquérito após uma morte em junho de 2015 atribuída aos rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), e infirmações de que a arma utilizada estaria escondida na sede do HDP em Istambul, precisou a polícia.

Um dos advogados do partido, Levent Piskin, denunciou uma ação policial "arbitrária".

O regime islamita-conservador de Erdogan tem multiplicado as pressões contra o HDP, acusado de apoiar o PKK, considerado uma organização terrorista por Ancara, Estados Unidos e União Europeia. O partido tem desmentido sistematicamente estas alegações.

O chefe de Estado pediu o fim da imunidade parlamentar para os dois copresidentes do partido, Selahattin Demirtas e Figen Yüksekdag, que se pronunciaram publicamente por um grau de autonomia para a importante minoria curda do país (entre 12 a 17 milhões dos 76 milhões de habitantes).

Nas eleições legislativas antecipadas de 1 de novembro, onde o Partido da Justiça de do Desenvolvimento (AKP) de Erdogan recuperou a maioria absoluta, o HDP voltou a ultrapassar a barreira obrigatória dos 10% de votos e é atualmente a terceira força no parlamento de Ancara, com 59 dos 550 deputados.

As declarações do Presidente turco surgem na sequência do reinício dos combates, desde o verão, entre as forças de segurança turcas e o PKK em numerosas cidades do sudeste do país de maioria curda, após dois anos de cessar-fogo.

Dois soldados turcos foram hoje mortos na província de Diyarbakir e na cidade de Cizre (sudeste), que permanecem sob recolher obrigatório desde o mês passado, anunciou o comando militar na sua página da internet.

Apoiadas por carros de combate e helicópteros, forças do exército e da polícia prosseguem uma operação para retomar o controlo dos bairros onde resistem jovens apoiantes do PKK. Os confrontos provocaram a fuga de milhares de habitantes, e segundo o HDP mais de 70 civis terão sido mortos.

Os números oficiais, citados pela AFP, referem que perto de 200 polícias e soldados foram mortos desde o verão, enquanto Erdogan anunciou que já foram "eliminados cerca de 3.100 terroristas".

Lusa

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira