sicnot

Perfil

Mundo

Rusga policial na sede do partido pró-curdo da Turquia em Istambul

A polícia antiterrorista turca deteve hoje em Istambul diversos responsáveis locais do principal partido pró-curdo do país, alvo de recentes e acesas críticas do Presidente islamita-conservador Recep Tayyip Erdogan.

Ao início da manhã, as forças da ordem irromperam nas instalações do Partido Democrático dos Povos (HDP, de esquerda e pró-curdo) no distrito de Beyoglu, na margem europeia da grande metrópole turca, e bloquearam os acessos ao local, referiu a agência noticiosa AFP.

A polícia confiscou numerosos documentos e nove pessoas foram detidas, incluindo um dos responsáveis do partido, Rukiye Demir, referiu por sua vez a agência noticiosa turca Dogan.

Num comunicado citado pelos media turcos, a direção da polícia de Istambul indicou ter detido seis pessoas.

A operação foi desencadeada no âmbito de um inquérito após uma morte em junho de 2015 atribuída aos rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), e infirmações de que a arma utilizada estaria escondida na sede do HDP em Istambul, precisou a polícia.

Um dos advogados do partido, Levent Piskin, denunciou uma ação policial "arbitrária".

O regime islamita-conservador de Erdogan tem multiplicado as pressões contra o HDP, acusado de apoiar o PKK, considerado uma organização terrorista por Ancara, Estados Unidos e União Europeia. O partido tem desmentido sistematicamente estas alegações.

O chefe de Estado pediu o fim da imunidade parlamentar para os dois copresidentes do partido, Selahattin Demirtas e Figen Yüksekdag, que se pronunciaram publicamente por um grau de autonomia para a importante minoria curda do país (entre 12 a 17 milhões dos 76 milhões de habitantes).

Nas eleições legislativas antecipadas de 1 de novembro, onde o Partido da Justiça de do Desenvolvimento (AKP) de Erdogan recuperou a maioria absoluta, o HDP voltou a ultrapassar a barreira obrigatória dos 10% de votos e é atualmente a terceira força no parlamento de Ancara, com 59 dos 550 deputados.

As declarações do Presidente turco surgem na sequência do reinício dos combates, desde o verão, entre as forças de segurança turcas e o PKK em numerosas cidades do sudeste do país de maioria curda, após dois anos de cessar-fogo.

Dois soldados turcos foram hoje mortos na província de Diyarbakir e na cidade de Cizre (sudeste), que permanecem sob recolher obrigatório desde o mês passado, anunciou o comando militar na sua página da internet.

Apoiadas por carros de combate e helicópteros, forças do exército e da polícia prosseguem uma operação para retomar o controlo dos bairros onde resistem jovens apoiantes do PKK. Os confrontos provocaram a fuga de milhares de habitantes, e segundo o HDP mais de 70 civis terão sido mortos.

Os números oficiais, citados pela AFP, referem que perto de 200 polícias e soldados foram mortos desde o verão, enquanto Erdogan anunciou que já foram "eliminados cerca de 3.100 terroristas".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.