sicnot

Perfil

Mundo

EUA perdem míssil na Europa que reaparece em Cuba

Um míssil dos EUA, da categoria Hellfire, desativado para efeitos de formação, foi perdido na Europa, no verão de 2014, e reapareceu em Cuba, onde os norte-americanos procuram recuperá-lo, confirmou hoje uma fonte conhecedora do assunto.

© Nikola Solic / Reuters


A informação tinha sido avançada pelo Wall Street Journal e o insólito de um míssil norte-americano acabar na posse de um Estado com o qual nem sequer tinha relações diplomáticas resultou de uma sucessão de alegados erros logísticos na Europa.

O Hellfire chegou a Cuba há 18 meses, antes portanto da aproximação diplomática entre Washington e Havana iniciada em dezembro de 2014.

O governo norte-americano tem o hábito de transportar estes mísseis desativados e incompletos, produzidos pelo grupo Lockheed Martin, antes de os vender operacionais, para fins de treino e formação, como foi o caso recentemente no Iraque, disse à AFP um conhecedor do sistema.

Os diplomatas e militares norte-americanos não têm juridicamente o direito de se exprimir publicamente sobre contratos comerciais de armas.

No verão de 2014, o míssil tinha sido enviado para Espanha pelo seu construtor com a autorização do Departamento de Estado para exercícios militares da NATO.

A arma deveria depois ter sido reenviada, por avião comercial, para o Estado da Florida, via Frankfurt, segundo a mesma fonte.

Foi então que começou a cadeia de erros logísticos, que levaram o míssil a ser carregado num camião fretado pela Air France, em direção ao aeroporto de Roissy, e depois colocado a bordo de um avião cargueiro da transportadora aérea para Havana, segundo aquele jornal, que citou fontes anónimas.

A fonte da AFP evoca apenas um voo da Air France saído da Alemanha e chegado a Cuba.

Segundo esta, tratou-se de um acidente e não de uma possível atividade criminosa, apesar de o Departamento da Justiça dos EUA ter aberto um inquérito.

A Lockheed Martin tinha comunicado com rapidez ao Departamento de Estado o desaparecimento do míssil, com Washington, desde há meses, a procurar recuperá-lo junto das autoridades cubanas.

Os norte-americanos, que se reaproximaram dos cubanos, não querem, por princípio, que a sua tecnologia caia nas mãos de países estrangeiros, muito mais quando se trata de potências concorrentes, como a Federação Russa ou a China.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26