sicnot

Perfil

Mundo

Número de mortos no ataque russo contra prisão da Al-Qaida sobe para 39

O ataque aéreo da aviação russa contra um edifício usado pela Al-Qaida como prisão no noroeste da Síria já causou, pelo menos, 39 mortos, cinco dos quais civis, segundo uma Organização Não Governamental (ONG).

© Alaa Faqir / Reuters


"Pelo menos 39 pessoas morreram no ataque de aviação russa contra um edifício utilizado pela Frente al-Nusra, o braço sírio da Al-Qaida, como prisão e tribunal em Maaret al-Noomane", na província de Idleb, disse o Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH).

O primeiro balanço provisório do OSDH apontava para dez vítimas mortais.

A maioria dos mortos eram rebeldes presos pela Frente al-Nusra, mas entre as vítimas estão também guardas prisionais, membros da al-Nusra e cinco vítimas, entre as quais uma criança, porque o edifício fica junto a um mercado.

Aviões russos têm realizado ataques aéreos contra o Estado Islâmico e "outros grupos terroristas" na Síria desde 30 de setembro.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.