sicnot

Perfil

Mundo

Carles Puigdemont empossado presidente do governo regional da Catalunha

O independentista Carles Puigdemont foi este domingo empossado como presidente da Catalunha (nordeste), com um mandato para liderar a região no processo de secessão de Espanha, no próximo mais ano ou mais tarde.

O presidente da câmara municipal de Girona e dirigente da Convergência Democrática da Catalunha (CDC) transformou-se assim no 130.º chefe do governo regional catalão.

O presidente da câmara municipal de Girona e dirigente da Convergência Democrática da Catalunha (CDC) transformou-se assim no 130.º chefe do governo regional catalão.

© Albert Gea / Reuters

"Viva a Catalunha livre", exclamou o novo presidente regional, de 53 anos, depois de ter obtido os votos favoráveis de 70 deputados num total de 135, 63 contra e duas abstenções.

O presidente da câmara municipal de Girona e dirigente da Convergência Democrática da Catalunha (CDC) transformou-se assim no 130.º chefe do governo regional catalão (Generalitat), duas horas antes de terminar o prazo para a investidura e após intensas negociações entre o JxSi (Juntos pelo Sim) e a CUP (Candidatura de Unidade Popular), desbloqueadas após a renúncia do ex-presidente Artur Mas (2010-2016).

Antes da investidura de Puigdemont, o chefe do governo espanhol tinha advertido que não será tolerado qualquer ato que ponha em perigo a unidade de Espanha.

"O governo não deixará passar um único ato que possa prejudicar a unidade e a soberania de Espanha", declarou Mariano Rajoy, num discurso transmitido em direto pela televisão, a partir de Madrid, alguns minutos antes da votação de investidura do parlamento catalão, em Barcelona.

"Temos mais instrumentos que nunca para defender a nossa unidade, as principais forças políticas estão de acordo com isto", afirmou Rajoy, referindo-se a Pedro Sanchez, líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), e a Albert Rivera, do Cidadãos. O líder do Partido Popular acrescentou ainda não ter falado com Pablo Iglesias do Podemos.

"O Estado funciona sempre e a democracia tem sempre a mesma validade, independentemente do governo em funções", disse o primeiro-ministro espanhol.

Rajoy garantiu que não serão criadas instituições catalãs à margem da lei. "Os espanhóis que podem estar tranquilos", disse.

Esta tarde, Carles Puigdemont pediu que o processo de secessão avance no parlamento catalão.

"Devemos (...) lançar o processo para criar um Estado independente na Catalunha, para que as decisões do parlamento catalão sejam soberanas", disse, sob aplausos, algumas antes da sessão da assembleia em que deverá ser eleito para chefiar o governo regional, sucedendo a Artur Mas.

Lusa

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.