sicnot

Perfil

Mundo

Coligação árabe desmente uso de bombas de fragmentação no Iémen

A coligação árabe liderada pela Arábia Saudita negou hoje a utilização de bombas de fragmentação nas operações militares no Iémen, conforme foi sugerido pelo secretário-geral da ONU, lembrando que isso podia configurar um crime de guerra.

A coligação liderada pela Arábia Saudita nega ter lançado bombas de fragmentação nas suas operações militares no Iémen, depois de o secretário-geral das Nações Unidas ter advertido que tal pode constituir crime de guerra.

A coligação liderada pela Arábia Saudita nega ter lançado bombas de fragmentação nas suas operações militares no Iémen, depois de o secretário-geral das Nações Unidas ter advertido que tal pode constituir crime de guerra.

© Khaled Abdullah / Reuters

"Negamos o uso de bombas de fragmentação em Sanaa", disse à AFP o general-brigadeiro Ahmed al-Assiri, que é também o porta-voz da coligação árabe.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, tinha advertido na sexta-feira que a utilização destas bombas, mais letais do que as tradicionais, "poderia constituir um crime de guerra".

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.