sicnot

Perfil

Mundo

Refugiado sírio convidado para último discurso de Obama sobre Estado da União

Refaai Hamo, um refugiado sírio, e um antigo soldado norte-americano muçulmano são dois dos convidados da Casa Branca para o último discurso sobre o Estado da União de Barack Obama, na terça-feira, foi este domingo anunciado.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Carlos Barria / Reuters

A Casa Branca disse que o refugiado sírio foi convidado por Michelle Obama para assistir ao discurso, a partir das galerias do hemiciclo da Câmara dos Representantes, onde todos os parlamentares norte-americanos e arte do governo do Supremo Tribunal vão estar a ouvir o Presidente dos Estados Unidos.

Refaai Hamo chegou a 18 de dezembro a Detroit (Michighan, norte) com três filhas e um filho, depois de ter passado dois anos na Turquia.

Fugiu da Síria depois de um míssil das forças governamentais de Bashar al-Assad ter destruído o complexo onde vivia com a mulher e família. A mulher, uma das filhas e cinco outros familiares morreram no ataque.

Na Turquia, foi-lhe diagnosticado um cancro no estômago. Os Estados Unidos concederam-lhe o estatuto de refugiado e Refaai Hamo vai refazer a sua vida em Troy, no Estado de Michigan.

A escolha de convidados da primeira-dama serve para sublinhar as prioridades do Presidente norte-americano. Neste caso, convidar um refugiado sírio é uma resposta aos republicanos do Congresso, que realizaram uma primeira votação para travar o acolhimento de refugiados sírios nos Estados Unidos (a medida não foi definitivamente aprovada).

Um antigo soldado norte-americano muçulmano, Naveed Shah, oriundo da Arábia Saudita, ficará ao lado de Michelle Obama. Uma criança quando chegou aos Estados Unidos com os pais paquistaneses, foi recrutado para o exército em 2006 por quatro anos e participou na guerra do Iraque.

Numa altura em que surgem vários tipos de manifestações islamófobas no país, agravadas pela proposta do pré-candidato às primárias do partido Republicano para as presidenciais Donald Trump que, em dezembro, propôs fechar as fronteiras norte-americanas aos muçulmanos.

Um lugar ficará por ocupar na terça-feira em homenagem às vítimas das armas de fogo, quando Obama tenta convencer o Congresso e a opinião pública da necessidade de agravar a legislação sobre armamento.

Jim Obergefell, cuja queixa por discriminação levou à legalização pelo Supremo Tribunal dos Estados Unidos do casamento homossexual, é também um dos convidados.

Um antigo migrante clandestino mexicano, que chegou aos Estados Unidos ainda em criança e conseguiu obter uma autorização de residência permanente depois de ter regressado ao México, estará presente para lembrar o compromisso de Barack Obama na regularização de milhões de clandestinos.

Entre os outros convidados contam-se também Spencer Stone, um dos heróis da tentativa de ataque no comboio de alta velocidade francês 'Thalys' em agosto passado, Lisa Jaster, uma das três mulheres que terminou a recruta do corpo de elite do exército 'Rangers', e Satya Nadella, diretor-executivo da Microsoft.

Tradicionalmente, este discurso diante das duas câmaras do Congresso norte-americano (Câmara dos Representantes e Senado) é focado na apresentação das prioridades políticas, nacionais e internacionais, do chefe de Estado, mas Barack Obama já disse que o discurso do próximo dia 12 de janeiro vai ser diferente.

"Neste discurso sobre o Estado da União, quero enfatizar, além dos progressos notáveis que conseguimos, o que temos de fazer em conjunto nos próximos anos. As grandes coisas que vão garantir aos nossos filhos uma América ainda mais forte e mais próspera", referiu.

O discurso do Estado da União ('State of the Union') é uma tradição política norte-americana iniciada pelo primeiro presidente dos Estados Unidos George Washington (1789--1797).

O discurso de terça-feira será o sétimo de Barack Obama, o 93.º dos discursos "State of the Union" presidenciais de toda a história do país e o 225.º quando contabilizados todos os discursos escritos por presidentes. A intervenção está prevista para as 21:00 de terça-feira (02:00 de quarta-feira em Lisboa).

Eleito em 2008 e reeleito em 2012, Obama deixará a Casa Branca a 20 de janeiro de 2017.

Lusa

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.