sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte intensifica emissões de propaganda na fronteira com Coreia do Sul

Pyongyang intensificou as suas emissões de propaganda na fronteira com a Coreia do Sul como resposta às mensagens com o mesmo fim que Seul voltou a emitir na zona após o teste nuclear executado pelo regime norte-coreano.

reuters

Fonte do Governo sul-coreano afirmou hoje à agência Yonhap que as tropas norte-coreanas aumentaram o número de altifalantes que emitem mensagens propagandísticas com o objetivo de interferir com os da Coreia do Sul, que emitem em direção a norte.

"O Norte inicialmente ligou os seus próprios altifalantes em dois pontos da fronteira e agora fez o mesmo para muitos mais. De facto, acreditamos que está a realizar emissões anti-Coreia do Sul em todos os pontos onde nós estamos a emitir", disse a mesma fonte.

A Coreia do Sul decidiu reativar, na passada sexta-feira, as 11 torres de som que tem espalhadas pela Zona Desmilitarizada, em resposta ao último teste nuclear da Coreia do Norte, anunciada dois dias antes.

Os altifalantes sul-coreanos emitem mensagens contra o regime norte-coreano e o seu líder, Kim Jong-un, assim como música pop sul-coreana e até séries radiofónicas.

Os do Norte, destinados principalmente a distorcer as mensagens transmitidas por Seul, emitem mensagens de adulação ao terceiro dos líderes da 'dinastia' Kim, acompanhadas de música militar e também de críticas à Presidente sul-coreana, Park Geun-hye.

Em agosto, quando as tropas sul-coreanas ligaram pela última vez os altifalantes, as duas Coreias, tecnicamente em guerra, acabaram por trocar fogo de artilharia através da Zona Desmilitarizada.

Apesar do seu nome, a DMZ é uma das fronteiras mais militarizadas no mundo.

Trata-se de uma faixa de terreno com cerca de quatro quilómetros de largura e 248 quilómetros de extensão, com vedações eletrificadas, campos minados e paredes antitanque.

  • Estacionamento às portas de Lisboa por 50 cêntimos/dia
    1:55

    País

    Lisboa vai ter novos parques de estacionamento, em zonas periféricas. O estacionamento vai custar 50 cêntimos por dia para condutores que tenham um título de transporte público válido.  A EMEL quer evitar a entrada de tantos carros no centro da cidade.