sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 7 milhões de pessoas dependem da ajuda humanitária no Congo

Décadas de sucessivas crises na República Democrática do Congo deixaram 7,5 milhões de pessoas -- nove por cento da população -- a depender de ajuda humanitária, incluindo alimentos, anunciou hoje a ONU.

© David Lewis / Reuters

Partes do leste da República Democrática do Congo (RDCongo) foram devastadas pela guerra, conflitos étnicos e conflitos armados pela posse de terra e pelo controlo de recursos minerais durante mais de 20 anos.

"Uma crise complexa e prolongada de proporções gigantescas criou a necessidade de ajuda humanitária para 7,5 milhões de pessoas, ou seja, nove por cento da população", lê-se no novo relatório do Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

"Décadas de choques sucessivos intensificaram as carências humanitárias, deixando uma elevada percentagem da população vulnerável aos múltiplos choques causados por conflitos, epidemias, subnutrição e catástrofes naturais", segundo o documento.

O relatório, que aponta as necessidades humanitárias globais, precisa que, para ajudar sete milhões de pessoas na RDCongo este ano, a OCHA e os seus parceiros precisam de 690 milhões de dólares (633 milhões de euros).

Pelo menos cinco milhões de pessoas têm acesso reduzido ou incerto a alimentação adequada e quase metade das crianças com menos de cinco anos do país sofrem de subnutrição crónica.

Surtos de sarampo e cólera estão a afetar particularmente as crianças, que já estão enfraquecidas por elevados níveis de malária e ausência de alimentação suficiente.

Apenas 22% da população tem acesso a água potável, que é seguro beber.

Além da violência no leste do país, tem havido uma escalada das tensões à medida que se aproximam as eleições agendadas para novembro, devido a receios de que o Presidente, Joseph Kabila, no poder desde 2001, altere a Constituição para se manter no poder.

O Presidente não tem mostrado sinais de se estar a preparar para abandonar o cargo e está agora a apelar para um "diálogo nacional" que permita um escrutínio pacífico.

"O aumento das violações dos direitos humanos na antecâmara das próximas eleições levanta a preocupação de a situação da segurança poder deteriorar-se se a crise política se aprofundar, agravando as já prementes necessidades humanitárias", sublinha o relatório.

Conflitos em nações vizinhas, como a República Centro-Africana e o Burundi, são também uma fonte de instabilidade, tendo empurrado cerca de 250.000 refugiados e requerentes de asilo para a RDCongo.

"Em 2016, é provável que a RDCongo continue a receber refugiados e requerentes de asilo dos países vizinhos, enquanto se debate também com pressões internas", alerta o documento da ONU.

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.