sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 7 milhões de pessoas dependem da ajuda humanitária no Congo

Décadas de sucessivas crises na República Democrática do Congo deixaram 7,5 milhões de pessoas -- nove por cento da população -- a depender de ajuda humanitária, incluindo alimentos, anunciou hoje a ONU.

© David Lewis / Reuters

Partes do leste da República Democrática do Congo (RDCongo) foram devastadas pela guerra, conflitos étnicos e conflitos armados pela posse de terra e pelo controlo de recursos minerais durante mais de 20 anos.

"Uma crise complexa e prolongada de proporções gigantescas criou a necessidade de ajuda humanitária para 7,5 milhões de pessoas, ou seja, nove por cento da população", lê-se no novo relatório do Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

"Décadas de choques sucessivos intensificaram as carências humanitárias, deixando uma elevada percentagem da população vulnerável aos múltiplos choques causados por conflitos, epidemias, subnutrição e catástrofes naturais", segundo o documento.

O relatório, que aponta as necessidades humanitárias globais, precisa que, para ajudar sete milhões de pessoas na RDCongo este ano, a OCHA e os seus parceiros precisam de 690 milhões de dólares (633 milhões de euros).

Pelo menos cinco milhões de pessoas têm acesso reduzido ou incerto a alimentação adequada e quase metade das crianças com menos de cinco anos do país sofrem de subnutrição crónica.

Surtos de sarampo e cólera estão a afetar particularmente as crianças, que já estão enfraquecidas por elevados níveis de malária e ausência de alimentação suficiente.

Apenas 22% da população tem acesso a água potável, que é seguro beber.

Além da violência no leste do país, tem havido uma escalada das tensões à medida que se aproximam as eleições agendadas para novembro, devido a receios de que o Presidente, Joseph Kabila, no poder desde 2001, altere a Constituição para se manter no poder.

O Presidente não tem mostrado sinais de se estar a preparar para abandonar o cargo e está agora a apelar para um "diálogo nacional" que permita um escrutínio pacífico.

"O aumento das violações dos direitos humanos na antecâmara das próximas eleições levanta a preocupação de a situação da segurança poder deteriorar-se se a crise política se aprofundar, agravando as já prementes necessidades humanitárias", sublinha o relatório.

Conflitos em nações vizinhas, como a República Centro-Africana e o Burundi, são também uma fonte de instabilidade, tendo empurrado cerca de 250.000 refugiados e requerentes de asilo para a RDCongo.

"Em 2016, é provável que a RDCongo continue a receber refugiados e requerentes de asilo dos países vizinhos, enquanto se debate também com pressões internas", alerta o documento da ONU.

Lusa

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.