sicnot

Perfil

Mundo

Barack Obama faz hoje o seu último discurso do Estado da União

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, faz hoje o seu último discurso do Estado da União, a pouco menos de um ano do povo norte-americano eleger um novo chefe de Estado.

© Carlos Barria / Reuters

O tradicional discurso diante das duas câmaras do Congresso norte-americano (Câmara dos Representantes e Senado) está previsto para as 21:00 locais (02:00 de quarta-feira em Lisboa).

Num vídeo de antecipação do discurso, divulgado na semana passada pela Casa Branca, Obama afirmou que a intervenção deste ano será diferente, estando concentrada na sua visão para a América a médio prazo, "além da próxima eleição" presidencial (agendada para novembro deste ano), em vez da habitual apresentação de iniciativas ou projetos legislativos.

"Neste discurso sobre o Estado da União, quero enfatizar, além dos progressos notáveis que conseguimos, o que temos de fazer em conjunto nos próximos anos. As grandes coisas que vão garantir aos nossos filhos uma América ainda mais forte e mais próspera", referiu o Presidente norte-americano, cujo mandato termina em janeiro de 2017.

A cerca de 10 meses da eleição presidencial que vai designar o seu sucessor, Obama disse igualmente que nunca se sentiu tão otimista em relação ao futuro.

"Desde que assumi as minhas funções há sete anos em plena crise, (...) nunca me senti tão otimista em relação ao próximo ano como hoje", salientou.

O ângulo da intervenção irá passar pela valorização das ações desenvolvidas ao longo dos últimos sete anos pela administração Obama, e naturalmente pelo seu lugar nos livros de História, mas também pretende marcar a diferença em relação aos vários candidatos presidenciais republicanos que querem chegar à Casa Branca, nomeadamente o multibilionário Donald Trump.

A administração Obama tem acusado estes candidatos de jogarem descaradamente com "os medos e as ansiedades" do povo norte-americano.

O discurso do Estado da União ('State of the Union') é uma tradição política americana iniciada pelo primeiro Presidente dos Estados Unidos, George Washington (1789--1797).

O discurso de hoje será o sétimo de Barack Obama, o 93.º dos discursos 'State of the Union' presidenciais de toda a história do país e o 225.º quando contabilizados todos os discursos escritos por presidentes.

Entre os convidados que vão assistir à intervenção de Obama diante do Congresso estará um refugiado sírio que chegou em dezembro último a Detroit (Michighan, norte), Refaai Hamo, e um antigo soldado norte-americano muçulmano, Naveed Shah.

Eleito em 2008 e reeleito em 2012, Obama deixará a Casa Branca a 20 de janeiro de 2017.

Lusa

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".