sicnot

Perfil

Mundo

Barack Obama faz hoje o seu último discurso do Estado da União

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, faz hoje o seu último discurso do Estado da União, a pouco menos de um ano do povo norte-americano eleger um novo chefe de Estado.

© Carlos Barria / Reuters

O tradicional discurso diante das duas câmaras do Congresso norte-americano (Câmara dos Representantes e Senado) está previsto para as 21:00 locais (02:00 de quarta-feira em Lisboa).

Num vídeo de antecipação do discurso, divulgado na semana passada pela Casa Branca, Obama afirmou que a intervenção deste ano será diferente, estando concentrada na sua visão para a América a médio prazo, "além da próxima eleição" presidencial (agendada para novembro deste ano), em vez da habitual apresentação de iniciativas ou projetos legislativos.

"Neste discurso sobre o Estado da União, quero enfatizar, além dos progressos notáveis que conseguimos, o que temos de fazer em conjunto nos próximos anos. As grandes coisas que vão garantir aos nossos filhos uma América ainda mais forte e mais próspera", referiu o Presidente norte-americano, cujo mandato termina em janeiro de 2017.

A cerca de 10 meses da eleição presidencial que vai designar o seu sucessor, Obama disse igualmente que nunca se sentiu tão otimista em relação ao futuro.

"Desde que assumi as minhas funções há sete anos em plena crise, (...) nunca me senti tão otimista em relação ao próximo ano como hoje", salientou.

O ângulo da intervenção irá passar pela valorização das ações desenvolvidas ao longo dos últimos sete anos pela administração Obama, e naturalmente pelo seu lugar nos livros de História, mas também pretende marcar a diferença em relação aos vários candidatos presidenciais republicanos que querem chegar à Casa Branca, nomeadamente o multibilionário Donald Trump.

A administração Obama tem acusado estes candidatos de jogarem descaradamente com "os medos e as ansiedades" do povo norte-americano.

O discurso do Estado da União ('State of the Union') é uma tradição política americana iniciada pelo primeiro Presidente dos Estados Unidos, George Washington (1789--1797).

O discurso de hoje será o sétimo de Barack Obama, o 93.º dos discursos 'State of the Union' presidenciais de toda a história do país e o 225.º quando contabilizados todos os discursos escritos por presidentes.

Entre os convidados que vão assistir à intervenção de Obama diante do Congresso estará um refugiado sírio que chegou em dezembro último a Detroit (Michighan, norte), Refaai Hamo, e um antigo soldado norte-americano muçulmano, Naveed Shah.

Eleito em 2008 e reeleito em 2012, Obama deixará a Casa Branca a 20 de janeiro de 2017.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.