sicnot

Perfil

Mundo

Icebergues "fertilizam" oceanos e contribuem para absorção do carbono

Os icebergues gigantes serão responsáveis pelo processo que absorve cerca de 20% do dióxido de carbono nos oceanos do sul, revela um estudo.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Bob Strong / Reuters

À medida que vão derretendo, as grandes massas de gelo vão lançando nas águas nutrientes importantes para o plâncton, organismos aquáticos que alimentam muitas espécies animais e que absorvem o carbono.

Uma equipa de cientistas reuniu e analisou os dados de 175 imagens de satélites, recolhidas entre 2003 e 2013, que acompanharam a passagem de 17 icebergues gigantes (com mais de 18 km de comprimento) pelas águas do oceano que rodeia a Antártica.

No estudo publicado na revista Nature Geoscience, os cientistas explicam que detetaram "níveis de clorofila substancialmente aumentados num raio em redor do icebergue de comprimento 4 a 10 vezes superior ao do icebergue".

Em declarações à BBC, um dos autores do estudo, Grant Bigg da Universidade de Sheffield, revelou que a produção de fitoplâcton (pequenos seres como bactérias e algas) em redor dos icebergues gigantes é muito maior graças à fertilização pelo ferro presente na água derretida.

Estes pequenos organismos comportam-se de maneira semelhantes às plantas em terra, ou seja, para obter energia para crescer e reproduzir utilizam a fotosíntese, processo que absorve o dióxido de carbono. Quando um fitoplâcton morre, afunda-se no oceano e o carbono absorvido fica "aprisionado".

No período estudado, existiam no Oceano Antártico três mil icebergues gigantes, o que permitiu à equipa calcular a quantidade de dióxido de carbono levada para o fundo do mar pelo fitoplâncton.

"Estimamos que estes icebergues contribuem entre 10% a 20% para a diminuição do carbono à superfície", afirmou Grant Bigg.

  • Ouvir o oceano para compreender os icebergues

    Mundo

    Cientistas polacos e britânicos descobriram que cada icebergue emite um som com uma acústica própria. Esta descoberta permite saber a quantidade de gelo que está a derreter e o efeito que terá na subida do nível do mar.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.