sicnot

Perfil

Mundo

MNE iraniano diz que extremismo saudita arruinou a estabilidade regional

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif, culpou o "extremismo saudita" de ter "arruinado a estabilidade regional" e de ser a "maior ameaça" à paz durante um encontro com o ex-chanceler alemão Gerhard Schroeder.

© POOL New / Reuters

Schoreder, que chegou esta noite ao Irão, à frente de uma delegação de empresários alemães, foi recebido em Teerão por Zarif, com quem abordou a situação política regional e as eventuais oportunidades de negócio face à iminente aplicação do acordo nuclear que colocará termo às sanções económicas ao país asiático, informa hoje a agência Mehr.

"O extremismo sunita é a maior ameaça para a região do Médio Oriente e a Arábia Saudita é a fonte que o alimenta com a sua ideologia 'wahabi' e os infinitos recursos financeiros de que o reino disfruta", afirmou o chefe da diplomacia iraniana.

Zarif insistiu na tese que expôs, no passado domingo, numa carta que endereçou à ONU de que a escalada da tensão na última semana entre Teerão e Riade se deve "ao ódio flagrante" ao Irão que as autoridades sauditas sentem, em particular desde que se iniciou o degelo das suas relações com o Ocidente.

Nesse sentido, o ministro iraniano apontou que, de momento, o "Irão tem atuado com moderação" diante das provocações sauditas, a fim de manter a estabilidade regional.

"Queremos interpretar a mania saudita de incitar a tensão e a histeria propagandística como um comportamento muito mal-educado por parte dos novos líderes do reino", acrescentou Zarif.

Por seu lado, Schroeder mostrou-se satisfeito por se aproximar a data da efetiva aplicação do acordo nuclear -- assinado entre as grandes potências, incluindo a Alemanha, e Teerão -- em que Berlim vê "boas perspetivas" para a relação bilateral.

"A Alemanha e a União Europeia em geral esperam explorar as oportunidades que chegarão com o fim de sanções para realmente poder usar as capacidades iranianas para resolver crises no Médio Oriente", afirmou o ex-chanceler alemão.

O anúncio do passado dia 03 da execução do clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr na Arábia Saudita esteve no início de uma escalada de tensão entre Teerão e Riade.

A Arábia Saudita anunciou na semana passada o corte de relações diplomáticas com o Irão, na sequência da tensão gerada pela execução.

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho