sicnot

Perfil

Mundo

"Muitos mais vão morrer" na Síria se cercos às cidades não forem levantados

O coordenador humanitário da ONU na Síria, Yacub el Hillo, instou hoje ao rápido levantamento dos cercos às cidades sírias, sem o que, argumentou, muitos habitantes morrerão.

Amel Emric

"Muitos mais [sírios] vão morrer se o mundo não agir mais depressa" em defesa dos cerca de 400.000 civis cercados na Síria, nomeadamente na cidade rebelde de Madaya, onde uma coluna humanitária conseguiu na segunda-feira entrar pela primeira vez desde outubro do ano passado.

"Isto tem de acabar", afirmou à imprensa, por telefone, a partir de Damasco.

Em Madaya, disse ter visto habitantes "sofrendo de subnutrição grave", em particular crianças "extremamente magras, quase esqueléticas", e condenou a "tática de guerra" utilizada pelos beligerantes.

O responsável das Nações Unidas recordou que, no total, 4,5 milhões de sírios se encontram em zonas de difícil acesso e que a ONU não consegue socorrê-las, e que 400.000 estão cercados pelas forças governamentais ou grupos rebeldes armados.

O Conselho de Segurança já exigiu, em vão, o levantamento dos cercos, em diversas resoluções que não surtiram quaisquer efeitos.

Em Madaya, a ONU conseguiu transportar para um hospital de Damasco uma menina de cinco anos e espera poder em breve instalar na cidade hospitais de campanha.

Cerca de 400 civis aguardam igualmente transporte médico de emergência, na maioria, mulheres e crianças com "problemas médicos complicados".

Estes doentes poderão ser transportados para hospitais em Damasco: "Tenho todas as razões para crer que é isso que vai acontecer", declarou Yacub el Hillo.

Uma coluna de ajuda humanitária com 40 camiões carregados de víveres, medicamentos e equipamento médico e roupa entrou na segunda-feira pela primeira vez desde outubro em Madaya, cidade síria sitiada há seis meses pelas forças governamentais.

Outras duas cidades cercadas por tropas rebeldes receberam também abastecimentos.

"Não é suficiente, as necessidades são imensas", sublinhou El Hillo, desejando que "as entregas continuem nos próximos meses a um ritmo mensal".

Lusa

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.