sicnot

Perfil

Mundo

"Muitos mais vão morrer" na Síria se cercos às cidades não forem levantados

O coordenador humanitário da ONU na Síria, Yacub el Hillo, instou hoje ao rápido levantamento dos cercos às cidades sírias, sem o que, argumentou, muitos habitantes morrerão.

Amel Emric

"Muitos mais [sírios] vão morrer se o mundo não agir mais depressa" em defesa dos cerca de 400.000 civis cercados na Síria, nomeadamente na cidade rebelde de Madaya, onde uma coluna humanitária conseguiu na segunda-feira entrar pela primeira vez desde outubro do ano passado.

"Isto tem de acabar", afirmou à imprensa, por telefone, a partir de Damasco.

Em Madaya, disse ter visto habitantes "sofrendo de subnutrição grave", em particular crianças "extremamente magras, quase esqueléticas", e condenou a "tática de guerra" utilizada pelos beligerantes.

O responsável das Nações Unidas recordou que, no total, 4,5 milhões de sírios se encontram em zonas de difícil acesso e que a ONU não consegue socorrê-las, e que 400.000 estão cercados pelas forças governamentais ou grupos rebeldes armados.

O Conselho de Segurança já exigiu, em vão, o levantamento dos cercos, em diversas resoluções que não surtiram quaisquer efeitos.

Em Madaya, a ONU conseguiu transportar para um hospital de Damasco uma menina de cinco anos e espera poder em breve instalar na cidade hospitais de campanha.

Cerca de 400 civis aguardam igualmente transporte médico de emergência, na maioria, mulheres e crianças com "problemas médicos complicados".

Estes doentes poderão ser transportados para hospitais em Damasco: "Tenho todas as razões para crer que é isso que vai acontecer", declarou Yacub el Hillo.

Uma coluna de ajuda humanitária com 40 camiões carregados de víveres, medicamentos e equipamento médico e roupa entrou na segunda-feira pela primeira vez desde outubro em Madaya, cidade síria sitiada há seis meses pelas forças governamentais.

Outras duas cidades cercadas por tropas rebeldes receberam também abastecimentos.

"Não é suficiente, as necessidades são imensas", sublinhou El Hillo, desejando que "as entregas continuem nos próximos meses a um ritmo mensal".

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26
  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.