sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro livro do Papa Francisco defende mensagem de misericórdia da Igreja

O papa Francisco defende no seu primeiro livro, que vai ser lançado hoje, que a "Igreja não está no mundo para condenar", mas para transmitir uma mensagem de misericórdia a uma "Humanidade que tem feridas profundas".

© Tony Gentile / Reuters

"Não são apenas as doenças sociais e as pessoas feridas pela pobreza, pela exclusão social, pelas inúmeras escravidões do terceiro milénio. Também o relativismo fere muitas pessoas: tudo parece igual, tudo parece o mesmo", refere um excerto do livro "O nome de Deus é misericórdia".

Francisco explica que a Igreja "não está no mundo para condenar, mas para permitir o encontro com (...) a misericórdia de Deus", e defende que "para isso (...) é necessário sair das igrejas e das paróquias" e procurar as pessoas "onde vivem e sofrem".

"O nome de Deus é misericórdia" resulta de uma conversa com o vaticanista do jornal italiano La Stampa Andrea Tornielli sobre o tema e a mensagem católica da misericórdia, central no percurso de Jorge Bergoglio.

Editado em Portugal pela Planeta, o primeiro livro de Francisco inclui a bula de proclamação do jubileu extraordinário da misericórdia "Misericoriae Vultus", que explica a decisão do papa de proclamar este ano jubilar.

O livro vai estar disponível, em simultâneo, em 86 países e em seis línguas: italiano, inglês, francês, alemão, espanhol e português.

A cerimónia de lançamento vai decorrer no Instituto Augustiniani, no Vaticano.

Este é o primeiro livro publicado por Jorge Bergoglio desde que foi eleito em março de 2013. Em junho, a encíclica "Laudato Si", também traduzida em várias línguas, foi um êxito mundial de vendas.

Lusa

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC