sicnot

Perfil

Mundo

Puigdemont assume presidência catalã sem jurar fidelidade ao Rei nem à Constituição

O novo presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, assumiu hoje oficialmente o cargo sem jurar fidelidade ao Rei nem à Constituição espanhola, como é costume nas cerimónias deste tipo em todas as comunidades autonómicas espanholas.

© Albert Gea / Reuters

Numa sessão no Palácio da Generalitat (Governo regional catalão), a presidente do parlamento catalão, Carme Forcadell, formulou a habitual pergunta sobre se o responsável do cargo político aceita desempenhar as suas funções.

No entanto, Forcadell apenas aludiu à "fidelidade à vontade do povo da Catalunha e dos seus representantes no parlamento [regional]", sem referir o Rei, a Constituição espanhola ou mesmo o Estatuto da Catalunha (que rege a relação da região com o governo central).

Puigdemont respondeu apenas: "Sim, prometo".

O Rei de Espanha, Felipe VI, recusou-se na segunda-feira a receber a presidente do parlamento regional catalão (que em novembro aprovou uma resolução que dá início a um processo de independência da Catalunha).

Por outro lado, o decreto de nomeação do novo presidente catalão, publicado hoje no Boletim oficial, não agradece - como tem sido norma - os serviços prestados pelo presidente cessante, Artur Mas.

O presidente cessante aproveitou o seu discurso para sublinhar esse ponto.

"Eu sim, agradeço os serviços prestados por todos" os que o acompanharam nos anos que passou na presidência da Generalitat, disse Artur Mas.

Nas investiduras de 2010 e 2012, Artur Mas utilizou a fórmula "Sim, prometo, com plena fidelidade ao povo da Catalunha".

A lei estipula que os presidentes dos parlamentos catalães devem formular a seguinte pergunta: "Promete, pela sua consciência e honra, cumprir fielmente as obrigações do cargo de presidente da Generalitat da Catalunha, com fidelidade ao Rei, à Constituição, ao Estatuto da Catalunha e às instituições nacionais da Catalunha?".

Enquanto decorria a cerimónia de tomada de posse de Carles Puigdemont, várias centenas de pessoas - tanto apoiantes da independência catalã, como opositores - concentraram-se na praça em frente ao Palácio da Generalitat.

Carles Puigdemont foi o nome encontrado pelo partido Convergència Democrática de Catalunya para contornar a recusa do partido de extrema-esquerda CUP em apoiar Artur Mas para presidente.

Lusa

  • Carles Puigdemont empossado como presidente da Catalunha

    Mundo

    O presidente da Câmara Municipal de Girona e dirigente da Convergência Democrática da Catalunha sucede a Artur Mas que confirmou, este sábado, o seu afastamento da presidência do governo autonómico, desbloqueando as negociações entre o Juntos pelo Sim e a Candidatura de Unidade Popular.

  • Catalunha tem novo governo
    4:21

    Edição da Manhã

    As forças independentistas chegaram a acordo na Catalunha e elegeram um novo Presidente para a região, Carles Puigdemont, até agora autarca de Girona e forte defensor do separatismo catalão. Pedro Cordeiro, jornalista do Expresso, explicou na Edição da Manhã que a escolha de Carles Puigdemont pressiona os partidos espanhóis para que também a nível nacional se chegue a um acordo de Governo.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.