sicnot

Perfil

Mundo

Avaria no sistema de navegação levou navios de guerra dos EUA para águas iranianas

Os dois navios de guerra dos Estados Unidos intercetados na terça-feira pelo Irão entraram em águas territoriais iranianas devido a um problema no sistema de navegação, declarou hoje o comandante das forças navais dos Guardas da Revolução. Os marines norte-americanos já foram libertados entretanto.

© US NAVY / Reuters

"Após uma avaliação, verificou-se que a entrada de marinheiros norte-americanos nas águas territoriais iranianas se deveu a uma avaria do seu sistema de navegação. O problema está a ser resolvido", explicou hoje o almirante iraniano Ali Fadavi, em declarações à televisão estatal do Irão.

Os dois barcos de guerra americanos, com 10 marines armados, entraram nas águas territoriais iranianas às 16:30 de terça-feira (13:00 de Lisboa), ao largo da ilha de Farsi, e foram apreendidos pelas unidades de guerra das forças navais dos Guardas da Revolução e levados para a ilha, segundo informaram as forças de elite do regime de Teerão.

O porta-voz da Casa Branca Josh Earnest informou, na noite de terça-feira, que o secretário de Estado, John Kerry, falou ao telefone com o seu homólogo iraniano, Mohammad Javad Zarif, que garantiu a libertação dos soldados norte-americanos.

Os Estados Unidos têm no Qatar e no Kuwait importantes bases militares e centros de operações.

As águas do Golfo Pérsico, especialmente no estreito de Ormuz, são das mais transitadas do mundo e obrigam à passagem de navios e transportes e embarcações militares por corredores bem definidos.

Com Lusa

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.