sicnot

Perfil

Mundo

Equipas que procuram avião malaio desaparecido descobrem barco do século XIX

As equipas que procuram os restos do avião malaio com o código de voo MH370 junto à costa australiana, no Oceano Índico, encontraram restos de um barco que se acredita datar do século XIX, informaram hoje fontes oficiais.

reuters

O sofisticado veículo submarino autónomo do barco australiano "Havila Harmony", que participa nas buscas pela aeronave, detetou no dia 19 de dezembro um objeto que se assemelha a um barco naufragado, segundo um comunicado da Autoridade Australiana de Segurança dos Transportes (ATSB, na sigla em inglês).

A 02 de janeiro, o submarino captou imagens que confirmaram a presença de um navio e que, segundo a interpretação do Museu do estado da Austrália Ocidental, se trata de "um barco de metal ou ferro que data de finais do século XIX".

A equipa liderada pela Austrália procura os destroços do avião da Malaysia Airlines, que desapareceu a 08 de março de 2014, quando fazia a rota entre Kuala Lumpur e Pequim, com 239 pessoas a bordo, numa área de 120 mil quilómetros quadrados no Oceano Índico, até meados deste ano.

Até ao momento, rastreou uma área de 80 mil quilómetros quadrados.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.