sicnot

Perfil

Mundo

Irão confirma ter apreendido dois navios de guerra dos EUA

Os Guardas da Revolução do Irão confirmaram hoje ter apreendido dois navios de guerra norte-americanos, com dez militares a bordo, que entraram nas águas territoriais iranianas no Golfo Pérsico, segundo um comunicado publicado pelo sítio de notícias Sepahnews.ir.

© US NAVY / Reuters

"Os dois barcos de guerra americanos, com 10 'marines' armados, entraram nas águas territoriais iranianas às 16:30 de terça-feira (13:00 de Lisboa) nos arredores da ilha de Farsi e foram apreendidos pelas unidades de guerra das forças navais dos Guardas da Revolução e levados para a ilha", refere o comunicado das forças de elite do regime de Teerão, acrescentando que os militares estão "bem de saúde".

Os Estados Unidos declararam na terça-feira estar a trabalhar com o Irão para recuperar um grupo de militares da Marinha do qual tinham perdido o contacto quando aqueles seguiam a bordo de duas pequenas embarcações no Golfo Pérsico, disse fonte oficial norte-americana.

"Hoje de manhã, perdemos o contacto com as duas pequenas embarcações que estavam em rota do Kuwait para o Barém", afirmou um alto funcionário do Governo norte-americano.

"Posteriormente, comunicamos com as autoridades iranianas, que nos informaram que estão bem e em segurança. Recebemos garantias de que os militares vão ser autorizados a prosseguir viagem", acrescentou.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, informou que o secretário de Estado, John Kerry, falou ao telefone com o seu homólogo iraniano, Mohammad Javad Zarif, que garantiu a libertação dos soldados norte-americanos.

Josh Earnest assegurou, em entrevista à CNN, que os Estados Unidos receberam garantias de que os militares de ambas as embarcações, que aparentemente entraram em águas territoriais iranianas, vão prosseguir caminho.

As águas do Golfo Pérsico, especialmente no estreito de Ormuz, são das mais transitadas do mundo e obrigam à passagem de navios e transportes e embarcações militares por corredores bem definidos.

Os Estados Unidos no Qatar e no Kuwait importantes bases militares e centros de operações.

Segundo fontes oficiais norte-americanas, estão 10 militares retidos.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.