sicnot

Perfil

Mundo

Kerry expressa gratidão a Teerão por libertação dos fuzileiros EUA

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, expressou hoje a sua "gratidão às autoridades iranianas" após a "libertação rápida" de dez fuzileiros detidos na terça-feira quando entraram em águas territoriais iranianas.

Mandel Ngan

Kerry não apresentou, contudo, qualquer pedido de desculpas a Teerão pelo incidente, precisou o porta-voz do departamento de Estado, John Kirby.

"Quero agradecer às autoridades iranianas pela sua cooperação e a sua resposta rápida", declarou hoje o chefe da diplomacia norte-americana num discurso em Washington.

Este tipo de situação "tem o potencial para derrapar completamente, se não for gerida de forma correta", acrescentou.

"Podemos todos imaginar como uma situação semelhante teria evoluído há três ou quatro anos", observou.

"É um testemunho do papel fundamental que a diplomacia pode desempenhar para manter o nosso país em segurança e forte", declarou ainda.

Os dez fuzileiros da marinha norte-americana, nove homens e uma mulher, estiveram detidos menos de 24 horas após a interceção, na terça-feira à tarde, dos dois barcos de patrulha rápidos em que navegavam ao largo da ilha Farsi, situada na parte norte do Golfo Pérsico e que pertencem ao Irão.

Estações televisivas norte-americanas -- entre as quais a CNN -- passaram diversas vezes as imagens dos militares de joelhos na ponte de um dos seus barcos de patrulha, com as mãos na nuca, captadas pelos iranianos. Nessas imagens, eram igualmente visíveis os passaportes dos fuzileiros norte-americanos.

A marinha dos Estados Unidos avançou a hipótese de um erro de navegação para explicar a entrada "não-intencional" das duas embarcações em águas territoriais iranianas.

"É possível cometer um erro de navegação desse tipo. Acontece, de vez em quando", comentou um responsável da marinha, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Aquele ramo das Forças Armadas norte-americanas excluiu, em todo o caso, a hipótese de uma falha mecânica que tivesse levado os dois barcos e os dez fuzileiros a bordo a derivar para a ilha.

Os militares partiram hoje de manhã da ilha nos seus barcos. Ao abandonarem águas territoriais do Irão, foram transferidos para um navio norte-americano, o USS Anzio, segundo o Pentágono.

Os seus barcos retomaram a respetiva rota em direção ao Bahrein, o seu destino inicial, com outras tripulações.

Os nove homens e uma mulher libertados vão agora seguir um procedimento de "reintegração" criado para os militares norte-americanos feitos prisioneiros ou temporariamente separados da sua unidade.

O processo inclui, nomeadamente, uma reunião com os serviços de informações e exames médicos, de acordo com um responsável norte-americano.

Os dois barcos de patrulha em que os fuzileiros seguiam quando foram apresados pelas autoridades iranianas eram barcos rápidos de 18 metros ('Riverine command boat'), capazes de atingir os 40 nós (70 quilómetros por hora).

O incidente ocorreu a alguns dias da aguardada entrada em vigor do acordo histórico sobre o programa nuclear iraniano entre Teerão e as grandes potências.

Lusa

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.