sicnot

Perfil

Mundo

Presa irmã do blogger saudita Raif Badawi

A Amnistia Internacional denunciou a detenção pela Arábia Saudita da irmã do blogger saudita Raif Badawi, condenado a dez anos de prisão e mil chicotadas, falando num "novo recuo alarmante" em matéria de direitos humanos.

Reuters

Samar Badawi foi detida na manhã de terça-feira em Jeddah, com a sua filha, de dois anos, antes de ser interrogada pela polícia durante quatro horas e, em seguida, encarcerada na prisão de Dhahran, indicou a organização não-governamental na sua página na internet.

Segundo Ensaf Haidar, mulher de Raef Badawi, Samar Badawi "foi detida sob a acusação de ter 'animado' a conta '@WaleedAbulkhair' no Twitter" do seu ex-marido, ativista dos direitos humanos condenado a uma pena de 15 anos de prisão.

"Samar Badawi foi transferida para a prisão central de Dhahran, onde Raef Badawi e Waleed Abdulkhair também se encontram", escreveu Ensaf Haidar, na sua conta na rede social Twitter. Samar Badawi encontra-se refugiada no Québec com os três filhos.

Esta detenção "é um novo recuo alarmante dos direitos humanos na Arábia Saudita e demonstra a extrema determinação das autoridades em aplicar a sua implacável campanha de perseguição e intimidação contra os defensores dos direitos humanos forçando-os ao silêncio", declarou Philip Luther, responsável no Médio Oriente pela filial norte-americana da Amnistia Internacional.

Por seu lado, a Human Rights Watch (HRW) apelou às autoridades sauditas para libertarem "imediatamente" Samar Badawi e pararem de perseguir as pessoas única e simplesmente pelas suas críticas de práticas em matéria de direitos humanos.

"A detenção de Samar Badawi mostra uma vez mais a determinação da Arábia Saudita em fazer calar aqueles que têm coragem para falar de direitos humanos e de reformas", sublinhou Sarah Leah Whiston, diretora da HRW para o Médio Oriente.

Segundo a Amnistia Internacional, Samar Badawi deve ser presente hoje a um juiz.

Samar Badawi está proibida de deixar o reino saudita pelo MInistério do Interior do país desde dezembro de 2014, detalhou a organização.

O 'blogger' Raif Badawi, de 31 anos, venceu o Prémio Sakharov 2015, do Parlamento Europeu, que foi recebido pela sua mulher na cerimónia realizada em dezembro último.

Preso em 2012, Raif Badawi foi condenado, em novembro de 2014, a dez anos de prisão, a mil chibatadas (cinquenta por semana ao longo de 20 semanas) e uma multa pesada por insultar o islão.

Badawi sofreu uma primeira sessão de açoitamento a 09 de janeiro de 2015 (50 chibatadas), mas foram adiadas as sessões seguintes, primeiro por razões de saúde e depois por razões não concretizadas.

Raif criou um 'site' para o debate social e político, "Free Saudi Liberals", considerado ofensivo para o Islão.

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Nove fatores que aumentam o risco de demência

    Mundo

    Um em cada três casos de demência podia ter sido evitado sem recorrer a medicamentos. Um estudo publicado na revista científica The Lancet explica como é possível evitar a demência e quais os fatores que contribuem para a doença.

  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.