sicnot

Perfil

Mundo

Ataques à bomba no centro de Jacarta fazem cinco mortos

Pelo menos cinco pessoas, entre eles dois polícias, morreram hoje num conjunto de ataques à bomba próximo de um centro comercial no centro da capital indonésia, Jacarta, segundo a agência indonésia Antara.

© Beawiharta Beawiharta / Reute

Fonte policial citada pela AFP confirmou, no entanto, até agora, apenas quatro mortos, três civis e um agente policial, com jornalistas australianos a referirem que entre as vítimas poderão estar alguns dos elementos responsáveis pelos ataques de hoje.

Testemunhas citadas nos meios de comunicação social locais referem-se a pelo menos seis explosões, próximo do centro comercial Sarinah, com relatos de tiroteio entre a polícia e um grupo de pessoas ainda não identificado e de número não conhecido.

Vídeos divulgados nas redes sociais mostram pelo menos uma das explosões, de pequena dimensão, em frente ao centro comercial Sarinah, localizado na mesma rua onde está o escritório das Nações Unidas em Jakarta.

A televisão australiana ABC cita uma nota interna da ONU para os funcionários em Jacarta que indica que um dos seus funcionários poderá ter ficado ferido nas explosões.

"Caros colegas, mais explosões e disparos na zona. Aparentemente estão a usar armas e granadas. Estamos num perímetro no edifício da ONU, protegidos por pessoal armado. Podemos ter um funcionário da ONU ferido na explosão inicial", refere a nota.

A origem exata das explosões ainda não foi confirmada pelas autoridades, com jornalistas indonésios e estrangeiros a referirem-se a bombas, granadas e até à ação de pelo menos dois bombistas suicidas.

Testemunhas citadas pela imprensa internacional referem-se a um grupo de pelo menos cinco atacantes incluindo três bombistas suicidas que se fizeram explodir num café da marca Starbucks.

Outros jornalistas no local referem que um grupo de até seis atacantes pode estar barricado no edifício Skyline, próximo ao local das explosões iniciais.

A televisão indonésia TVOne noticiou entretanto terem ocorrido três outras explosões noutros pontos da capital, nomeadamente, nos bairros de Cikni, Silpi e Kuningan, em dois casos, próximo das embaixas da Turquia e do Paquistão.

Imagens divulgadas pelas redes sociais e pela imprensa indonésia e estrangeira mostram o impacto de uma das explosões, com pelo menos três corpos na rua e um posto de polícia parcialmente destruído.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".