sicnot

Perfil

Mundo

Daesh reivindica autoria de ataques em Jacarta

O Daesh reivindicou a autoria das várias explosões, seguidas de tiroteios, que se registaram hoje no centro de Jacarta. Estes ataques causaram pelo menos sete mortos, incluindo cinco atacantes.

© Beawiharta Beawiharta / Reuters

"Os combatentes do Estado Islâmico (Daesh) realizaram ataques armados esta manhã visando interesses estrangeiros, protegidos pelas forças de segurança, na capital indonésia", refere um comunicado divulgado na agência de notícias Aamaaq.

A polícia indonésia afirmava antes de ser conhecido este comunicado, que uma organização local, com ligações ao Daesh, era a principal suspeita de ter perpetrado os atentados terroristas em Jacarta.

"Existe uma forte suspeita de que se trata de um grupo indonésio com ligações ao Daesh (...) este grupo seguiu o padrão dos atentados de Paris", em novembro, disse o porta-voz da polícia Anton Charliyan.

Charliyan afirmou que o grupo tinha divulgado anteriormente um aviso enigmático, sobre "um concerto na Indonésia", o que levou a polícia a aumentar a segurança antes das celebrações do Ano Novo.

Em dezembro, a polícia indonésia frustrou uma série de conspirações terroristas, incluindo algumas ligadas ao Daesh.

  • Dezenas de explosões em Jacarta, pelo menos sete mortos
    1:07

    Mundo

    As autoridades indonésias garantem que já terminaram os ataques no centro de Jacarta apesar dos alegados terroristas estarem em fuga. Sete pessoas morreram, incluindo cinco atacantes, em quase uma dezena de explosões. Não há ainda confirmação sobre a autoria dos rebentamentos mas o Presidente indonésio não duvida que são "atos terroristas" para espalhar o medo e o caos no país.

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),