sicnot

Perfil

Mundo

Governo diz que não há portugueses em risco após ataques em Jacarta

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse hoje que não há portugueses em risco em Jacarta, na Indonésia, onde hoje ocorreram vários ataques à bomba, mas adiantou que foram reforçadas as medidas de segurança na embaixada.

© Beawiharta Beawiharta / Reute

"Não temos nenhuma informação que permita dizer que algum dos elementos da comunidade portuguesa residente em Jacarta -- que se estima serem 180 -- esteja em qualquer situação de risco, em qualquer local de risco", adiantou à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE).

Augusto Santos Silva informou que o embaixador português em Jacarta, Moreira Lemos, tem estado em contacto com a comunidade portuguesa em Jacarta.

O ministro salientou também que a embaixada portuguesa não está localizada nas áreas onde decorreram os ataques à bomba, que causaram pelo menos cinco mortos.

"Embora haja várias embaixadas localizadas num dos locais onde estão a decorrer os ataques e a embaixada portuguesa esteja localizada não muito longe desse local, não há nenhum elemento que permita dizer que são as embaixadas o alvo do ataque, ou seja, que esteja em curso um atentado que tenha como alvo representações diplomáticas", sublinhou.

Apesar de a embaixada portuguesa não estar localizada junto às áreas dos tiroteios, as medidas de segurança foram reforçadas, vincou Santos Silva.

"Não há nenhum problema de segurança que envolva a embaixada portuguesa, embora a embaixada tenha reforçado as medidas de segurança. Não temos nenhuma informação que permita dizer que algum membro da comunidade portuguesa em Jacarta esteja em risco", adiantou.

Augusto Santos Silva disse ainda que a imprensa internacional tem "dado conta de que o alvo dos tiroteios poderia ser a esquadra de polícia, mas ainda cedo para se perceber o que se passou".

Após os ataques, a embaixada de Portugal na Indonésia lançou um aviso aos cidadãos portugueses para evitarem deslocações ao centro de Jacarta, onde hoje ocorreram vários atentados, provocando pelo menos cinco mortos.

"Sugere-se a todos os nacionais portugueses que evitem deslocações nos arredores de Budaran HI, em concreto no Shopping Mall Sarinah, que se encontra na Jalan Thamrin, na sequência de uma série de ataques com armas de fogo e explosivos que ali ocorreram", lê-se na comunicação emitida pela embaixada aos portugueses.

A representação portuguesa alerta que "todos os movimentos devem ser reduzidos ao mínimo indispensável, pois há bloqueios em várias vias de acesso a Jacarta Central/Menteng" e alerta que podem ter ainda lugar atos terroristas.

A embaixada recomenda aos portugueses que evitem "entrar em centros comerciais", designadamente nas áreas centrais da cidade.

Pelo menos cinco pessoas, entre eles dois polícias, morreram hoje num conjunto de ataques à bomba próximo de um centro comercial no centro da capital indonésia, segundo a agência indonésia Antara.

Lusa

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01