sicnot

Perfil

Mundo

Governo diz que não há portugueses em risco após ataques em Jacarta

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse hoje que não há portugueses em risco em Jacarta, na Indonésia, onde hoje ocorreram vários ataques à bomba, mas adiantou que foram reforçadas as medidas de segurança na embaixada.

© Beawiharta Beawiharta / Reute

"Não temos nenhuma informação que permita dizer que algum dos elementos da comunidade portuguesa residente em Jacarta -- que se estima serem 180 -- esteja em qualquer situação de risco, em qualquer local de risco", adiantou à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE).

Augusto Santos Silva informou que o embaixador português em Jacarta, Moreira Lemos, tem estado em contacto com a comunidade portuguesa em Jacarta.

O ministro salientou também que a embaixada portuguesa não está localizada nas áreas onde decorreram os ataques à bomba, que causaram pelo menos cinco mortos.

"Embora haja várias embaixadas localizadas num dos locais onde estão a decorrer os ataques e a embaixada portuguesa esteja localizada não muito longe desse local, não há nenhum elemento que permita dizer que são as embaixadas o alvo do ataque, ou seja, que esteja em curso um atentado que tenha como alvo representações diplomáticas", sublinhou.

Apesar de a embaixada portuguesa não estar localizada junto às áreas dos tiroteios, as medidas de segurança foram reforçadas, vincou Santos Silva.

"Não há nenhum problema de segurança que envolva a embaixada portuguesa, embora a embaixada tenha reforçado as medidas de segurança. Não temos nenhuma informação que permita dizer que algum membro da comunidade portuguesa em Jacarta esteja em risco", adiantou.

Augusto Santos Silva disse ainda que a imprensa internacional tem "dado conta de que o alvo dos tiroteios poderia ser a esquadra de polícia, mas ainda cedo para se perceber o que se passou".

Após os ataques, a embaixada de Portugal na Indonésia lançou um aviso aos cidadãos portugueses para evitarem deslocações ao centro de Jacarta, onde hoje ocorreram vários atentados, provocando pelo menos cinco mortos.

"Sugere-se a todos os nacionais portugueses que evitem deslocações nos arredores de Budaran HI, em concreto no Shopping Mall Sarinah, que se encontra na Jalan Thamrin, na sequência de uma série de ataques com armas de fogo e explosivos que ali ocorreram", lê-se na comunicação emitida pela embaixada aos portugueses.

A representação portuguesa alerta que "todos os movimentos devem ser reduzidos ao mínimo indispensável, pois há bloqueios em várias vias de acesso a Jacarta Central/Menteng" e alerta que podem ter ainda lugar atos terroristas.

A embaixada recomenda aos portugueses que evitem "entrar em centros comerciais", designadamente nas áreas centrais da cidade.

Pelo menos cinco pessoas, entre eles dois polícias, morreram hoje num conjunto de ataques à bomba próximo de um centro comercial no centro da capital indonésia, segundo a agência indonésia Antara.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59