sicnot

Perfil

Mundo

Áustria ameaça travar entrada de migrantes

A Áustria anunciou hoje que vai endurecer os controlos fronteiriços, travando a entrada no seu território a todos os migrantes que pretendam seguir caminho e pedir asilo em países do norte da Europa.

© Leonhard Foeger / Reuters


"Neste momento, na fronteira entre a Áustria e a Alemanha, só aqueles que procuram asilo na Alemanha têm autorização para entrar. Aqueles que querem ir mais longe estão a ser mandados de volta", afirmou a ministra do Interior austríaca, Johanna Mikl-Leitner, em declarações à rádio pública Oe1.

"Vamos travar essas pessoas diretamente na nossa fronteira a sul [com a Eslovénia] a partir do final da próxima semana", prosseguiu a representante austríaca.

Durante 2015, a Áustria tornou-se num importante país de trânsito para as centenas de milhares de migrantes e refugiados que entraram na União Europeia (UE). A grande maioria destas pessoas desejava entrar na Alemanha ou seguir caminho para o norte da Europa, nomeadamente para a Suécia.

Na semana passada, as autoridades de Estocolmo reforçaram os controlos fronteiriços, medida que foi seguida pela Dinamarca. Também Berlim decidiu enviar de volta para a Áustria qualquer migrante que não deseje permanecer no território alemão.

Segundo a ministra austríaca, são "200 a 300" migrantes que são barrados diariamente na fronteira alemã, do lado da Baviera, e reenviados para a Áustria.

Desde dezembro último, Viena já recusou a entrada a 2.568 pessoas que entraram a partir da Eslovénia, devido a problemas com os respetivos documentos de identidade, de acordo com as autoridades eslovenas.

O semanário alemão Der Spiegel avançou esta semana, na sua edição na Internet, que a Áustria estava em negociações com a Croácia e a Eslovénia sobre o possível envio da polícia austríaca para as respetivas fronteiras para apoiar o reencaminhamento dos migrantes.

Luisa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34