sicnot

Perfil

Mundo

Libertadas 126 pessoas em hotel no Burkina Faso

As forças de segurança do Burkina Faso encerraram o cerco a um hotel em Ouagadougou e libertaram 126 pessoas, disse o ministro do Interior, sublinhando ainda que um outro ataque que está ocorrer num segundo hotel na região.

Yempabou

Yempabou

"Cento e vinte e seis pessoas, das quais 33 feridas, foram libertadas. Três 'jihadistas', um árabe e dois africanos, foram mortos", afirmou o ministro do Interior do Burkina Faso, Simon Comparoe.

"Os ataques ao hotel Splendid e ao café-restaurante Cappucino (que fica em frente ao hotel) acabaram. Mas um outro ataque está em curso no hotel Ybi", situado ao lado do Cappuccino, disse o ministro.

Uma fonte das forças de segurança informou que houve, pelo menos, 22 mortos neste ataque ao hotel Splendid e ao café restaurante Cappuccino.

O Presidente da França, François Hollande, condenou hoje os ataques que começaram na noite de sexta-feira, em Ouagadougou.

Num comunicado divulgado pelo Palácio do Eliseu, sede da Presidência francesa, manifestou o seu apoio ao povo e ao Presidente do Burkina Faso, Christian Kaboré, e lembrou que as forças francesas estão a colaborar com o país.

O ataque foi reivindicado pela Al-Qaeda do Magrebe Islâmico (AQMI), através de combatentes do grupo Al-Murabitun, liderados pelo histórico 'jihadista' argelino Mokhtar Belmokhtar.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15