sicnot

Perfil

Mundo

Português morto em atentado no Burkina Faso

Um cidadão português é uma das vítimas mortais no ataque de sexta-feira contra um hotel e restaurante de Ouagadougou, capital do Burkina Faso, segundo fonte da Secretaria de Estado das Comunidades.

O homem residia em França, era casado com uma francesa e pai de quatro filhos. Estava no Burkina Faso ao serviço de uma empresa.

Esta manhã, o Governo francês- que identificou a vítima - deverá transmitir mais informações às autoridades nacionais, numa altura em que ainda decorrem as operações de identificação dos corpos.

Sabe-se também que outro português, consultor da União Europeia, estava no hotel na altura do ataque, mas escapou ileso.

O atentado, reinvindicado pela Al-Qaeda do Magrebe Islâmico, fez 29 mortos, provenientes de 18 países.

  • Fogo na baixa do Porto provoca quatro feridos, dois em estado grave
    1:38

    New Articles

    Um incêndio em três habitações na baixa do Porto, que deflagrou esta noite, provocou quatro feridos, dois em estado grave. O fogo que foi extinto pelos Bombeiros Sapadores do Porto causou cinco desalojados, dos quais quatro foram acolhidos por familiares e um realojado pela junta de freguesia. Desconhece-se a origem das chamas que destruíram três casas.

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.