sicnot

Perfil

Mundo

Alegados piratas informáticos do Daesh atacam página de universidade chinesa

A página oficial na internet de uma das mais prestigiadas universidades da China, a Tsinghua, foi atacada por piratas informáticos alegadamente ligados à organização extremista Daesh, confirmaram hoje fontes da instituição de ensino.

reuters

De acordo com o jornal Qingxin, vinculado à universidade, sediada no norte de Pequim, os primeiros ataques ocorreram às 22:00 horas de domingo (14:00 horas em Lisboa).

Algumas páginas do portal foram substituídas por outras que exibiam escrituras do Corão e tocavam música islâmica, acompanhados de palavras de ordem como "o sacrifício é a minha meta final" e "não tenho medo da morte".

Surgiram ainda ligações a um perfil no Facebook, rede social que está censurada na China, e que exibia combatentes do EI montados a cavalo e envergando faixas negras.

A universidade encerrou de alguns dos seus servidores e conseguiu, entretanto, recuperar os conteúdos habituais.

Na manhã de hoje, na China, a página da Tsinghua (tsinghua.edu.cn), em ambas as versões, chinês e inglês, não mostrava anomalias.

A conta no Twitter "Islamic State Media", utilizada pela organização para reivindicar este tipo de ataques, ainda não se pronunciou sobre o sucedido na Tsinghua, numa noite em que casos semelhantes ocorreram em outros países.

As ligações ao Facebook incluem a referência a um correio eletrónico que, segundo informações reveladas anteriormente, pertencem a um hacker chamado "Don Soufiane", que apareceu vinculado a ameaças de morte aos desenhistas da revista satírica francesa Charlie Hebdo que sobreviveram ao atentado de janeiro de 2015.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05