sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 14 milhões de pessoas ameaçadas pela fome na África Austral

Cerca de 14 milhões de pessoas podem ficar sem comida suficiente em 2016 na África Austral devido à seca prolongada que há vários meses afeta a produção agrícola na região, advertiu hoje o Programa Alimentar Mundial da ONU.

© Barry Malone / Reuters

À fraca colheita de 2014 seguiu-se uma seca ainda mais grave em 2015, provocada pelo fenómeno climatérico El Niño, afirma o PAM num comunicado em que considera que "a perspetiva é alarmante".

"O número de pessoas sem alimentos suficientes pode aumentar significativamente nos próximos meses à medida que a região entra na chamada estação de escassez, em que o armazenamento de alimentos é extremamente baixo", afirma o PAM.

"Os pequenos agricultores, responsáveis pela maior parte da produção e que dependem da sua própria produção para subsistir, estão especialmente vulneráveis", acrescenta.

Um dos países mais afetados pela falta de chuva é o Malaui, com 2,8 milhões de pessoas ameaçadas de fome, seguido de Madagáscar (1,9 milhões) e o Zimbabué (1,5 milhões), países onde as colheitas de 2015 representam metade das de 2014.

O PAM manifestou ainda preocupação com Angola, Moçambique, Lesoto e Suazilândia.

Os preços dos alimentos têm subido em toda a região. No Malaui, por exemplo, o milho subiu 73% em relação ao preço médio.

Na semana passada, a África do Sul anunciou que vai ter de importar metade da colheita média de milho -- seis milhões de toneladas -, depois de 2015 ter sido declarado o pior ano de seca no país em 112 anos.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.