sicnot

Perfil

Mundo

Crianças "mineiras" de 7 anos extraem cobalto usado em smartphones

Há baterias de lítio de smartphones que contêm cobalto extraído em minas por crianças de 7 anos, sujeitas a violência, extorsão e intimidação. A denúncia é feita pela Amnistia Internacional.

reuters

Pelo menos 16 multinacionais - entre elas a Apple, a Microsoft e a Vodafone - usam baterias de lítio nas quais é usado cobalto das minas da República Democrática do Congo, revela uma investigação conjunta da Amnistia e da Afrewatch, uma ONG africana, citada pelo jornal The Guardian.

Foram entrevistados 90 adultos e crianças de cinco minas artesanais, que relataram jornadas de trabalho de 12 horas, sem qualquer proteção. O relatório afirma que as crianças mineiras, que chegam a ter 7 anos - carregam às costas cargas extremamente pesadas, sob calor intenso, sem máscaras ou luvas, para ganhar entre 1 a 2 dólares por dia.

Muitas destas crianças contaram ter sido espancadas pelos vigilantes e forçadas a pagar "multas" por polícias de minas não autorizados.

De acordo com o documento, a empresa chinesa Huayou Cobalt recebe cerca de 40% do mineral da República Democrática do Congo, processa-o e vende-o depois a fabricantes de baterias, fornecedores da Apple, Microsoft e Vodafone.

Em resposta às alegações, a Huayou Cobalt afirmou à Amnistia "não ter conhecimento de qualquer caso de trabalho infantil" pelos seus fornecedores.

A Apple, por seu turno, declarou estar a investigar se o cobalto usado nalguns dos seus produtos provém ou não do Congo.

"O trabalho infantil não é tolerado na nossa cadeia de fornecedores", respondeu. A Vodafone afirmou também desconhecer se o cobalto dos seus produtos é do Congo.

"O que é preocupante é que nenhuma das empresas que identificámos na nossa investigação consegue identificar onde é originado o cobalto usado nos seus produtos. Cerca de metade de todo o cobalto provém da República Democrática do COngo e nenhuma empresa pode dizer não ter conhecimento dos abusos dos direitos humanos e do trabalho infantil ligados à extração mineira na região", afirma um dos investigadores da Amnistia.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.