sicnot

Perfil

Mundo

Forças curdas destruíram milhares de casas no norte do Iraque

Forças curdas, parceiras da coligação internacional antiterrorismo, destruíram milhares de casas no norte do Iraque, numa tentativa aparente de deslocar as populações árabes, alertou esta quarta-feira a Amnistia Internacional (AI).

Um responsável curdo rejeitou as acusações da organização não-governamental de defesa dos direitos humanos (com sede em Londres), referindo que a destruição foi causada por combates. (Arquivo)

Um responsável curdo rejeitou as acusações da organização não-governamental de defesa dos direitos humanos (com sede em Londres), referindo que a destruição foi causada por combates. (Arquivo)

© Thaier Al-Sudani / Reuters

Um responsável curdo rejeitou as acusações da organização não-governamental de defesa dos direitos humanos (com sede em Londres), referindo que a destruição foi causada por combates.

A AI afirma que essa destruição ocorreu após a retomada pelas forças curdas de áreas antes controladas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), que ocupou regiões do norte do Iraque e a leste de Bagdad em 2014, além do norte da Síria.

"As forças (da região autónoma iraquiana do Curdistão) parecem conduzir uma campanha deliberada para deslocar à força as populações árabes", afirmou Donatella Rovera, conselheira para as situações de crise da Amnistia Internacional.

"A deslocação de civis pela força e a destruição deliberada de suas casas e bens sem justificação militar pode ser equiparado a crime de guerra", declarou.

A AI indicou que imagens de satélite mostram sinais de "vasta destruição".

"As forças 'peshmerga' do governo regional do Curdistão e as milícias curdas destruíram milhares de casas com 'bulldozers', fazendo-as explodir ou queimando-as com a aparente intenção de deslocar as populações árabes", precisou a ONG.

Lusa

  • Austrália e Iraque unidos contra o Daesh
    0:47

    Daesh

    Numa visita surpresa ao Iraque, o primeiro-ministro australiano reuniu-se com o homólogo iraquiano para discutir entre outros assuntos a luta contra o Daesh. Malcom Turnbull agradeceu o contributo das forças de segurança iraquianas no combate aos terroristas.

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46