sicnot

Perfil

Mundo

"Alex" quer ajudá-lo a evitar dores no pescoço e costas

Um aparelho que se coloca no pescoço e que avisa quando a postura está incorreta. O projeto está a ser desenvolvido na Coreia do Sul e a angariação de fundos para o comercializar decorre na Internet.

NAMU

Com os telemóveis e os computadores portáteis a fazerem parte do dia-a-dia, são cada vez mais as queixas de dores no pescoço e nas costas devido à inclinação do corpo sobre os aparelhos.

A empresa sul-coreana NAMU quer ajudar e ensinar as pessoas a corrigir este problema. "Alex" é um treinador pessoal para uma postura correta: um pequeno aparelho retangular colocado na base do pescoço e que vibra quando as costas não estão direitas.

A aplicação no telemóvel vai fazendo um registo diário da postura: o ângulo de inclinação do pescoço e a posição da cabeça em relação ao corpo. Os gráficos mostram o progresso diário e semanal do tempo em que a postura foi a correta.

A NAMU começou a desenvolver "Alex" há dois anos e tem agora os prototipos e a aplicação prontos. Precisa de um financiamento de 50 mil dólares para começar a produção e comercialização que espera angariar através de uma campanha online.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.