sicnot

Perfil

Mundo

Organizações não-governamentais e ONU apelam para fim da guerra na Síria

Dezenas de organizações não-governamentais e agências da ONU apelaram hoje a todos os cidadãos do mundo para que se "façam ouvir" e exijam o fim do conflito na Síria, onde milhões de pessoas precisam de ajuda.

© Khalil Ashawi / Reuters

"Apelamos não apenas aos governos, mas a cada um de vós, cidadãos de todo o mundo, para que façam ouvir as vossas vozes a fim de deter esta carnificina", refere um comunicado divulgado pela UNICEF (Fundo da ONU para a Infância).

No comunicado, as quase 100 organizações não-governamentais e agências da ONU exortam "todas as partes em conflito a chegarem a um acordo de cessar-fogo e a um caminho para a paz".

"Hoje em dia, cerca de 13,5 milhões de pessoas no interior da Síria precisam de assistência humanitária. Não se trata de uma simples estatística. São 13,5 milhões de seres humanos cujas vidas e futuro estão em perigo", alertam.

As organizações não-governamentais e a ONU exigem também "acesso sem restrições" às organizações para prestar apoio humanitário às pessoas, períodos de cessar-fogo para distribuição de alimentos e de outras ajudas urgentes a civis, o fim dos ataques a infraestruturas civis, incluindo escolas e hospitais, e a liberdade de movimentos para todos os civis".

"Em nome da humanidade a que todos pertencemos, a bem dos três milhões de inocentes que já tanto sofreram e em nome dos milhões de pessoas cujas vidas e futuros estão ameaçados, apelamos a uma ação imediata", insistem.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.