sicnot

Perfil

Mundo

Japão levantará sanções ao Irão após entrada em vigor do acordo nuclear

O Japão vai levantar as sanções que impôs ao Irão, após a entrada em vigor do acordo sobre o programa nuclear iraniano, anunciou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Fumio Kishida.

© POOL New / Reuters

O levantamento das sanções, que inclui a suspensão de investimentos nos setores do petróleo e gás, abre caminho à assinatura de um acordo de investimento entre Teerão e Tóquio, que mantém uma elevada dependência com o exterior em matéria de recursos naturais.

O acordo será assinado "em breve", acrescentou Kishida, num encontro com a imprensa, acrescentando que o Governo nipónico espera "continuar a desenvolver as suas relações tradicionalmente amistosas com o Irão".

O futuro acordo facilitará o investimento japonês no Irão.

As sanções impostas até agora pelo Japão incluem a proibição de realizar contratos a médio e longo prazo com empresas interessadas em exportar e investir no Irão, assim como restrições em fazer negócios com as instituições financeiras iranianas.

A 16 de janeiro, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) confirmou que Teerão cumpriu as exigências para implementar o acordo nuclear alcançado em julho, em Viena, pelo Grupo 5+1 (Estados Unidos, França, China, Reino Unido, Rússia e Alemanha) e o Irão.

O acordo prevê limitar vários aspetos do programa atómico iraniano durante períodos de entre 10 e 25 anos, em troca do levantamento de sanções.

No mesmo dia, a União Europeia, o Conselho de Segurança das Nações Unidas e os EUA levantaram também as sanções ao Irão.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.