sicnot

Perfil

Mundo

Podemos informa o Rei de Espanha que quer integrar um Governo com o PSOE

O Podemos, de Pablo Iglesias, quer integrar um Governo "de mudança" em Espanha juntamente com os socialistas do PSOE e com os comunistas da Izquierda Unida, tendo transmitido essa intenção hoje ao Rei Felipe VI.

Podemos informa o Rei de Espanha que quer integrar um Governo com o PSOE

Podemos informa o Rei de Espanha que quer integrar um Governo com o PSOE

© POOL New / Reuters

Iglesias falava no Congresso dos Deputados, após uma reunião com o monarca espanhol na qual transmitiu a intenção de começar desde já a negociar essa solução, bem como os apoios necessários a uma investidura do secretário-geral do PSOE como presidente do Governo.

O líder do Podemos (esquerda radical) acrescentou que, nesse eventual "governo de mudança", seria vice-presidente.

"Decidimos tomar a iniciativa e dar um passo em frente. Este não é o momento para meias-tintas. Ou se está pela mmudança ou pelo imobilismo e o bloqueio", declarou Iglesias após o encontro com Felipe VI, acrescentando que "se o PSOE quiser, pode haver um governo de mudança".

O PP de Mariano Rajoy ganhou as eleições espanholas a 20 de dezembro, com 123 deputados mas sem maioria absoluta. O PSOE conseguiu 90 deputados e o Podemos e as suas formações regionais 69 assentos, o que obriga qualquer um dos partidos a acordos pós-eleitorais.

Iglesias explicou que o governo que pretende formar com o PSOE deve ser proporcional aos resultados das eleições gerais e lembrou que o PSOE apenas teve menos 300 mil votos que as forças de esquerda que poderiam integrar o executivo.

O responsável da formação da cor roxa (a cor que integrou a bandeira da Espanha republicana) disse que quer integrar o Governo e o conselho de ministros precisamente para fiscalizar o PSOE quanto à intenção de mudar de política em Espanha, rumo a medidas sociais e fim da austeridade.

O líder do Podemos referiu nomes de responsáveis do Podemos como possíveis futuros ministros - caso do seu "número dois", Íñigo Errejón - e mesmo da IU, mas recusou que a ideia esteja "em fase avançada de amadurecimento".

Pelo contrário, afirmou que o Rei de Espanha foi o primeiro a saber das suas intenções e que agora resta trabalhar com o PSOE para que se concretize.

Iglesias vincou que esse governo teria de ter como políticas o fim da austeridade e dos cortes, bem como o combate à corrupção e desdramatizou uma das suas linhas vermelhas durante a campanha: um referendo pela independência na Catalunha.

O Podemos integra no seu grupo parlamentar sub-divisões regionais - o En Comú Podem, da Catalunha, e o En Mareas, da Galiza. Também integrava o Compromís, da Comunidade Valenciana, mas quatro dos seus deputados decidiram tentar formar um grupo à parte.

O En Comú Podem defende um referendo pela independência na Catalunha, mas tem vindo a suavizar a sua posição quanto a este assunto, que o PSOE - e os seus "barões" regionais - rejeita.

Apesar de o tema do referendo ter deixado, entre o Podemos, de ser "linha vermelha", Iglesias disse que o En Comú Podem deveria ocupar uma nova tutela, um "Ministério da Plurinacionalidade", para resolver o conflito catalão.

"Não debatemos com linhas vermelhas, mas toda a gente tem de entender como votaram os catalães a 20 de dezembro", salientou.

A conferência de imprensa de Iglesias, na qual surpreendeu com esta proposta, apanhou o líder do PSOE, Pedro Sánchez, já em reunião com o Rei Felipe VI.

Lusa

  • Pedro Sanchéz segue os passos de António Costa
    0:48

    País

    Pedro Sanchez, líder do PSOE, o partido socialista espanhol, encontrou-se hoje no Largo do Rato com o líder socialista e primeiro-ministro português, António Costa. No final do encontro, Pedro Sanchez anunciou a intenção de governar em Espanha com o apoio de uma coligação de forças progressistas.O encontro com António Costa serviu para troca de experiências.

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.