sicnot

Perfil

Mundo

Quatro mortos num tiroteio em escola no Canadá

Um tiroteio esta sexta-feira numa escola secundária na província canadiana de Saskatchewan fez quatro mortos.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Steve Dipaola / Reuters

Segundo o primeiro-ministro canadiano, há também dois feridos graves no tiroteio, que ocorreu numa escola situada numa reserva de índios em La Loche.

O anterior balanço, avançado pela Real Polícia Montada do Canadá, apontava para duas vítimas mortais.

A escola estava cercada e a polícia aconselhou os pais dos alunos a manterem-se afastados enquanto dão resposta ao que classificaram de "incidente em curso".

Uma escola primária vizinha também foi alvejada e os alunos estão no seu interior por precaução, informou um porta-voz da Real Polícia Montada do Canadá.

Segundo um jornal local, a polícia prendeu um suspeito, mas as autoridades ainda não confirmaram esta informação.

O tiroteio ocorreu na cidade de la Loche, que tem 3 mil habitantes, e está localizada a 600 quilómeters a norte de Saskatoon.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.