sicnot

Perfil

Mundo

Tempestade de neve e vento obriga a cancelar cinco mil voos na costa leste dos EUA

As previsões de uma tempestade de neve e vento para a costa leste dos Estados Unidos levou ao cancelamento de 2544 voos que deviam descolar esta sexta-feira e 2565 agendados para sábado, além de outras restrições à circulação.

© Carlos Barria / Reuters

Transportes terrestres como autocarros e metro preparam-se também para o agravamento acentuado do estado do tempo e, ao meio-dia de hoje (17:00), encerraram as instalações do governo federal, tendo as empresas e os organismos de Washington dado aos trabalhadores a opção de trabalhar a partir de casa.

As previsões meteorológicas indicam que o mau tempo na costa leste dos EUA pode deixar até 60 centímetros de neve nas ruas e que o vento pode atingir os 100 quilómetros por hora, tendo sido declarada situação de emergência em seis estados.

Washington DC (Distrito de Columbia), Maryland, Virgínia, Pensilvânia, Carolina do Norte e Tennessee preparam-se para, pelo menos, 36 horas de tempestade de neve, o que colocou em alerta máximo cerca de 29 milhões de pessoas, podendo ser afetadas até 85 milhões.

A presidente da câmara de Washington DC, Muriel Bowser, advertiu hoje que se trata de um temporal "de vida ou de morte" e que as autoridades estão a lidar com uma situação de "segurança nacional", já que o Serviço Nacional de Meteorologia descreveu o caso como "histórico", justificando a tomada de precauções sem precedentes.

O metro de Washington, que serve os estados vizinhos de Maryland e Virgínia, encerra às 23:00 (04:00 de sábado em Lisboa) e assim permanecerá até pelo menos segunda-feira - o que não acontecia desde o furacão Sandy, em outubro de 2012, quando esteve fechado por 36 horas.

A circulação de autocarros será interrompida pelas 15:00 (20:00 em Lisboa), hora a que as autoridades recomendam que todos os cidadãos estejam já no local onde pretendem permanecer até que a tempestade passe e as ruas e estradas voltem a estar transitáveis.

Os estados ameaçados pela tempestade já têm cerca de dois milhões de toneladas de sal a postos para a limpeza de neve nas estradas.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou na quinta-feira a declaração de situação de calamidade no Alabama, devido às tempestades e inundações causadas pelo temporal Golias, que açoitou o sul e o centro do país no final do ano, o que implica o envio de ajuda federal para a recuperação do Alabama e para complementar a assistência já prestada ao estado, aos municípios, às reservas indígenas e a algumas ONG.

A 29 de dezembro, o Presidente dos Estados Unidos assinara uma declaração idêntica para o estado do Oklahoma, a fim de ajudar as pessoas afetadas pelos ventos, tempestades e tornados do Golias.

O mau tempo que se registou entre 23 e 31 de dezembro deixou um rasto de dezenas de mortos e milhares de casas destruídas, levando a que fosse decretada situação de emergência em estados como o Texas, Missouri, Oklahoma, Novo México, Alabama, Mississípi e Geórgia.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.