sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 40 presos recapturados após fuga de cadeia no Brasil

Cerca de 40 presos foram recapturados ou mortos, depois de escaparem de uma prisão sobrelotada no Brasil. Conseguiram fugir, no sábado passado, para as ruas do Recife, fazendo explodir uma das paredes.

Muhammed Muheisen

De acordo com a AFP, a fuga em massa aconteceu no sábado, quando os detidos conseguiram fazer explodir uma das paredes da prisão Frei Damião de Bozanno, uma das mais duras prisões no Brasil.

Os relatos que têm aparecido na comunicação social brasileira dão conta de uma explosão, seguida de dezenas de presos vestidos 'normalmente' a saírem a correr e a misturarem-se com os cidadãos na cidade do Recife.

As autoridades do Estado de Pernambuco disseram ao site da Globo que dos 40 presos que fugiram, 36 tinham sido capturados, dois mortos, um hospitalizado e um outro estava ainda por encontrar.

Esta foi a segunda operação de fuga dos presos desta cadeia, uma das sobrelotadas no Brasil. As instalações foram construídas para albergar 10.500 presos, mas estão lá cerca de 32 mil pessoas, segundo um relatório do ano passado da Human Rights Watch.

Segundo esse relatório, muitos presos são obrigados a dormir no chão e como há menos guardas do que o necessário, a supervisão dos detidos é entregue a outros detidos, que controlam o interior da prisão.

Na semana passada, 53 presos fugiram da cadeia Barreto Campelo, na área do Recife, tendo sido capturados 13 até agora.

Com Lusa

  • Eis os novos heróis de Vila de Aves
    3:03
  • Desportivo das Aves fora da Liga Europa

    Desporto

    O Desportivo das Aves não vai à Liga Europa e o Sporting terá entrada direta na fase de grupos. Apesar da conquista da Taça de Portugal, a equipa avense não se licenciou em tempo útil para poder participar na prova da UEFA, apurou a SIC.

  • E agora, Sporting? Semana de decisões e incertezas
    2:53
  • "Para primeiro dia de pesca da sardinha, não foi mau"
    2:19
  • "Desfiliei-me do PS mas continuo socialista"
    1:29

    País

    José Sócrates garantiu este domingo que não atacará o PS e que continua a ser socialista. O antigo primeiro-ministro participou num almoço de apoio, em Lisboa, com cerca de 100 pessoas, a maioria anónimos.