sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 160 civis mortos em três dias de bombardeamentos na Síria

Pelo menos 164 civis, entre os quais 43 menores de idade e 25 mulheres, morreram nas últimas 72 horas devido aos bombardeamentos da aviação russa e síria nas províncias de Al Raqa e Deir al Zur.

© Bassam Khabieh / Reuters

A informação foi hoje divulgada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

A Organização Não Governamental (ONG) classificou como "massacre" estes ataques, efetuados entre quinta-feira e o amanhecer de hoje contra as populações de Jasham, Tabia Yazira e Al Bulail, no este de Deir al Zur, e na cidade de Al Raqa.

O maior número de vítimas mortais registou-se em Jasham, onde morreram 63 civis, dos quais nove eram menores.

Em Tabia Yazira e Al Bulail, assim como em outras povoações, situadas a oeste de Deir al Zur, os bombardeamentos causaram 55 mortos, entre os quais 18 crianças e nove mulheres.

Esta campanha aérea ocorre em resposta à ofensiva lançada há uma semana pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

Em Raqa, o principal feudo do EI na Síria, os bombardeamentos saldaram-se na morte de pelo menos 46 civis, entre os quais 16 crianças e 13 mulheres.

Parte das vítimas de Al Raqa eram deslocados da província de Deir al Zur, segundo o Observatório.

Estes bombardeamentos aconteceram pouco antes da data, 25 de janeiro, em que estava prevista a realização de novas conversações de paz sobre a Síria, em Genebra.

No entanto, é provável que este encontro seja adiado, uma vez que não há acordo sobre os representantes da oposição que se deslocarão à reunião.

Lusa

  • Pelo menos 29 mortos em bombardeamentos na Síria

    Mundo

    Pelo menos 29 pessoas morreram hoje, entre as quais sete menores, e dezenas ficaram feridas por bombardeamentos de aviões de guerra na periferia da cidade síria de Deir al Zur, onde o grupo terrorista Estado Islâmico lançou uma ofensiva.

  • Negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas na 2ª feira
    2:05

    Mundo

    As negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas já na próxima segunda-feira, com a presença em Genebra do presidente Bashar al Assad. Enquanto vários países tentam encontrar uma solução diplomática, as organizações não-governamentais apelam ao envolvimento de todos os que querem um desfecho rápido para um conflito a entrar no sexto ano. Mais de 120 ONG juntaram-se à ONU e à UNICEF num forte apelo ao fim do conflito armado.

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.