sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 160 civis mortos em três dias de bombardeamentos na Síria

Pelo menos 164 civis, entre os quais 43 menores de idade e 25 mulheres, morreram nas últimas 72 horas devido aos bombardeamentos da aviação russa e síria nas províncias de Al Raqa e Deir al Zur.

© Bassam Khabieh / Reuters

A informação foi hoje divulgada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

A Organização Não Governamental (ONG) classificou como "massacre" estes ataques, efetuados entre quinta-feira e o amanhecer de hoje contra as populações de Jasham, Tabia Yazira e Al Bulail, no este de Deir al Zur, e na cidade de Al Raqa.

O maior número de vítimas mortais registou-se em Jasham, onde morreram 63 civis, dos quais nove eram menores.

Em Tabia Yazira e Al Bulail, assim como em outras povoações, situadas a oeste de Deir al Zur, os bombardeamentos causaram 55 mortos, entre os quais 18 crianças e nove mulheres.

Esta campanha aérea ocorre em resposta à ofensiva lançada há uma semana pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

Em Raqa, o principal feudo do EI na Síria, os bombardeamentos saldaram-se na morte de pelo menos 46 civis, entre os quais 16 crianças e 13 mulheres.

Parte das vítimas de Al Raqa eram deslocados da província de Deir al Zur, segundo o Observatório.

Estes bombardeamentos aconteceram pouco antes da data, 25 de janeiro, em que estava prevista a realização de novas conversações de paz sobre a Síria, em Genebra.

No entanto, é provável que este encontro seja adiado, uma vez que não há acordo sobre os representantes da oposição que se deslocarão à reunião.

Lusa

  • Pelo menos 29 mortos em bombardeamentos na Síria

    Mundo

    Pelo menos 29 pessoas morreram hoje, entre as quais sete menores, e dezenas ficaram feridas por bombardeamentos de aviões de guerra na periferia da cidade síria de Deir al Zur, onde o grupo terrorista Estado Islâmico lançou uma ofensiva.

  • Negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas na 2ª feira
    2:05

    Mundo

    As negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas já na próxima segunda-feira, com a presença em Genebra do presidente Bashar al Assad. Enquanto vários países tentam encontrar uma solução diplomática, as organizações não-governamentais apelam ao envolvimento de todos os que querem um desfecho rápido para um conflito a entrar no sexto ano. Mais de 120 ONG juntaram-se à ONU e à UNICEF num forte apelo ao fim do conflito armado.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.