sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 160 civis mortos em três dias de bombardeamentos na Síria

Pelo menos 164 civis, entre os quais 43 menores de idade e 25 mulheres, morreram nas últimas 72 horas devido aos bombardeamentos da aviação russa e síria nas províncias de Al Raqa e Deir al Zur.

© Bassam Khabieh / Reuters

A informação foi hoje divulgada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

A Organização Não Governamental (ONG) classificou como "massacre" estes ataques, efetuados entre quinta-feira e o amanhecer de hoje contra as populações de Jasham, Tabia Yazira e Al Bulail, no este de Deir al Zur, e na cidade de Al Raqa.

O maior número de vítimas mortais registou-se em Jasham, onde morreram 63 civis, dos quais nove eram menores.

Em Tabia Yazira e Al Bulail, assim como em outras povoações, situadas a oeste de Deir al Zur, os bombardeamentos causaram 55 mortos, entre os quais 18 crianças e nove mulheres.

Esta campanha aérea ocorre em resposta à ofensiva lançada há uma semana pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

Em Raqa, o principal feudo do EI na Síria, os bombardeamentos saldaram-se na morte de pelo menos 46 civis, entre os quais 16 crianças e 13 mulheres.

Parte das vítimas de Al Raqa eram deslocados da província de Deir al Zur, segundo o Observatório.

Estes bombardeamentos aconteceram pouco antes da data, 25 de janeiro, em que estava prevista a realização de novas conversações de paz sobre a Síria, em Genebra.

No entanto, é provável que este encontro seja adiado, uma vez que não há acordo sobre os representantes da oposição que se deslocarão à reunião.

Lusa

  • Pelo menos 29 mortos em bombardeamentos na Síria

    Mundo

    Pelo menos 29 pessoas morreram hoje, entre as quais sete menores, e dezenas ficaram feridas por bombardeamentos de aviões de guerra na periferia da cidade síria de Deir al Zur, onde o grupo terrorista Estado Islâmico lançou uma ofensiva.

  • Negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas na 2ª feira
    2:05

    Mundo

    As negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas já na próxima segunda-feira, com a presença em Genebra do presidente Bashar al Assad. Enquanto vários países tentam encontrar uma solução diplomática, as organizações não-governamentais apelam ao envolvimento de todos os que querem um desfecho rápido para um conflito a entrar no sexto ano. Mais de 120 ONG juntaram-se à ONU e à UNICEF num forte apelo ao fim do conflito armado.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.