sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 18 mortos o número de vítimas da tempestade de neve nos EUA

Uma tempestade com ventos fortes e queda recorde de neve paralisou este sábado dez estados da costa leste dos EUA e já causou pelo menos 18 mortos, dezenas de feridos, e deixou centenas de pessoas imobilizadas nas estradas durante horas.

© Kevin Lamarque / Reuters

A tempestade surpreendeu a cidade de Nova Iorque, que cortou o trânsito até ao início de domingo.

A cidade mais habitada do país suspendeu o metro exterior, a ilha de Manhattan fechou os túneis e pontes que a ligam, e ficou sem um dos seus ícones: todos os espetáculos foram cancelados na Broadway, a grande avenida dos teatros.

A capital norte-americana, Washington DC, está desde o meio-dia de sexta-feira em alerta máximo e no sábado sofreu a pior fase da tempestade, com fortes ventos, quase visibilidade nula, grandes acumulações de neve e temperaturas gélidas, com descidas para menos 20.ºC.

O metro de Washington, que serve os vizinhos estados da Virgínia e do Maryland, vai estar encerrado pelo menos até segunda-feira e a presidente da Câmara, Muriel Bowser, pediu hoje aos habitantes que fiquem em casa e deixem trabalhar os limpa-neves.

A capital, com 43 centímetros de neve registados no aeroporto Ronald Reagan e 71 no de Dulles, vive o seu pior nevão em 94 anos, desde o recorde de 71 centímetros alcançado em 1922.

A tempestade afetou gravemente o tráfego aéreo, com mais de 12.000 voos cancelados e a previsão de que os mesmos não voltem a ser reprogramados até segunda-feira em vários aeroportos principais.

Lusa

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.