sicnot

Perfil

Mundo

Talibãs afegãos pedem retirada das sanções da ONU para dialogar com o Governo

Os talibãs afegãos reclamaram hoje "alguns passos preliminares", como a retirada das sanções da ONU, para que seja viável um diálogo de paz com o Governo do Afeganistão, que acabe com mais de 14 anos de guerra.

© Jonathan Ernst / Reuters

"Se alguma parte quer falar de paz com o Emirado Islâmico (como se autodenominam os talibãs), as listas devem ser retiradas antecipadamente", disse à EFE o porta-voz dos insurgentes, Zabihullah Mujahid, em alusão às sanções das Nações Unidas e dos EUA.

O porta-voz precisou que estas listas incluem "um tipo de proibição" para os talibãs, como "evitar viagens e visitas".

Num comunicado, os insurgentes asseguraram que "o estabelecimento de um gabinete oficial do Emirado Islâmico, a retirada da lista negra (da ONU) e da listas de recompensas (dos EUA), a libertação de prisioneiros e o fim da propaganda venenosa estão entre os passos preliminares".

Sem estes passos, "o processo até à paz não é viável", sublinham na nota, difundida em Cabul após a conferência convocada sábado no Qatar pela ONG Pugwash, para identificar soluções para o conflito afegão.

Os insurgentes confirmaram na sexta-feira a sua participação na conferência, que não teve a participação de representantes do Governo, após o lançamento do chamado Grupo dos Quatro (G4), formado pelo Afeganistão, Paquistão, China e os Estados Unidos, para relançar o processo de paz.

Os talibans e o Governo afegão realizaram em julho do ano passado, no Paquistão, a sua primeira reunião oficial, mas o processo foi suspenso dias após o anúncio de que o fundador do movimento insurgente, o mullah Omar, tinha morrido em abril de 2013.

O G4, que manteve a 11 de janeiro a sua primeira reunião em Islamabad e a 18 a segunda em Cabul, tenta reiniciar o processo de negociações sem condições prévias.

O Conselho de Segurança da ONU renovou no mês passado o regime de sanções contra os talibans, incluindo o bloqueio de bens, proibição de viagens e embargo de armas, uma decisão que, em seguida, os rebeldes consideraram representar uma "nova barreira" para as negociações de paz.

Os Estados Unidos têm cerca de 9.800 soldados no Afeganistão, dos quais cerca de metade irá permanecer no país após o final do mandato do presidente Barack Obama, em janeiro de 2017, enquanto a NATO anunciou que vai triplicar a sua presença em 2016, para cerca de 12.000 efetivos, devido à situação de insegurança no país.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.