sicnot

Perfil

Mundo

ONU garante que negociações de paz na Síria começam sexta-feira

As negociações de paz entre a oposição síria e o regime de Damasco começarão na sexta-feira e durarão seis meses, informou hoje o emissário especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura.

Reuters

Reuters

© Ammar Abdullah / Reuters

Inicialmente previstas para começarem hoje em Genebra, as negociações foram adiadas devido a "um bloqueio" sobre a composição das delegações, explicou Staffan de Mistura numa conferência de imprensa, adiantando que os convites serão enviados na terça-feira.

"O mandato que o Conselho de Segurança me deu é ser o mais inclusivo possível e vou sê-lo", disse numa referência aos critérios para convidar os participantes.

Indicou esperar que ao receber os convites todos sintam "a seriedade e a urgência" de participar nas negociações.

De Mistura referiu que ainda que o plano seja o processo decorrer durante meio ano, a primeira parte das negociações deverá durar duas a três semanas após o que poderá haver uma suspensão para os participantes consultarem as respetivas bases.

Em relação ao formato, o emissário da ONU considerou que as consultas devem ser "tão flexíveis e criativas quanto possível".

A prioridade é conseguir "um cessar-fogo, uma suspensão das hostilidades, uma pausa nos combates, depende de como for acordado", disse ainda, adiantando que a luta contra os grupos considerados terroristas Frente al-Nosra e Estado Islâmico não se incluirá no eventual cessar-fogo.

De Mistura insistiu que um cessar-fogo é essencial para que a ajuda humanitária possa chegar a quem precisa.

Conseguido o cessar-fogo, as negociações podem dedicar-se aos temas de como se governa o país, da reforma da Constituição e da realização de eleições.

O enviado das Nações Unidas defendeu ainda uma participação ativa de grupos de mulheres e de representantes da sociedade civil que, na sua opinião, estiveram pouco representados nos processos anteriores.

A guerra civil na Síria, que começou em março de 2011 e já fez mais de 260.000 mortos e milhões de deslocados, já originou duas séries de negociações em Genebra, denominadas Genebra 1 e Genebra 2, que não obtiveram resultados.

Lusa

  • "Mais quanto tempo para acabar com o sofrimento?"
    1:15

    Mundo

    Mais de 120 organizações humanitárias juntaram-se à ONU e à Unicef num apelo conjunto para pôr fim à guerra na Síria. São quase 5 anos de conflito armado que matou mais de 250 mil pessoas e provocou milhões de desalojados, para além da instabilidade que provoca no Médio Oriente e no resto do mundo, com a maior vaga de migração desde a Segunda Guerra Mundial. "Mais quanto tempo para acabar com o sofrimento?" é a frase com que termina este bloco de imagens impressionantes que em 60 segundos resumem 5 anos de guerra.

  • Negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas na 2ª feira
    2:05

    Mundo

    As negociações para a paz na Síria poderão ser retomadas já na próxima segunda-feira, com a presença em Genebra do presidente Bashar al Assad. Enquanto vários países tentam encontrar uma solução diplomática, as organizações não-governamentais apelam ao envolvimento de todos os que querem um desfecho rápido para um conflito a entrar no sexto ano. Mais de 120 ONG juntaram-se à ONU e à UNICEF num forte apelo ao fim do conflito armado.

  • Pelo menos 29 mortos em bombardeamentos na Síria

    Mundo

    Pelo menos 29 pessoas morreram hoje, entre as quais sete menores, e dezenas ficaram feridas por bombardeamentos de aviões de guerra na periferia da cidade síria de Deir al Zur, onde o grupo terrorista Estado Islâmico lançou uma ofensiva.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.