sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede ao Irão que trabalhe para a paz no Médio Oriente

Galeria de fotos

O Papa Francisco pediu hoje ao Irão, ao receber pela primeira vez o presidente Hassan Rohani, para trabalhar para a paz no Médio Oriente, numa altura em que o país sai do isolamento internacional.

© POOL New / Reuters

© POOL New / Reuters

© POOL New / Reuters

© POOL New / Reuters

© POOL New / Reuters

© POOL New / Reuters

No final de um encontro de 40 minutos na biblioteca do Palácio Apostólico, Francisco, sorridente, despediu-se de Rohani, fazendo um voto de esperança na paz. "Peço-vos que rezeis por mim. Gostei muito deste encontro e desejo-lhe bom trabalho", respondeu, em farsi, o presidente iraniano.

O Papa Francisco pede com frequência aos seus convidados que rezem por si.

Para Rohani, esta visita ao Vaticano era uma etapa obrigatória numa série de encontros que marcam a reintegração do Irão na comunidade internacional.

O Vaticano sublinhou o "papel importante" do Irão, potência regional, numa altura em que as sanções impostas ao país foram suspensas a 16 de janeiro, na sequência de um acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano.

O encontro permitiu "sublinhar o papel importante que o Irão é chamado a desempenhar, juntamente com outros países da região, na promoção de soluções políticas adequadas às problemáticas do Médio Oriente, para lutar contra a difusão do terrorismo e do tráfico de armas", afirmou o Vaticano em comunicado.

"A este respeito, foi recordada a importância do diálogo inter-religioso e a responsabilidade das comunidades religiosas na promoção da reconciliação, da tolerância e da paz", de acordo com o texto, numa referência à necessária reconciliação entre sunitas e xiitas, à oposição dos dois países que os representam - Arábia Saudita e Irão, respetivamente - e às repercussões do conflito entre os dois ramos do islão, na Síria, Líbano, Iraque e Iémen.

O Vaticano nunca escondeu a sua preocupação perante as crescentes tensões entre Riade e Teerão, ao mesmo tempo que é favorável à manutenção da pressão sobre o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, para que não coloque entraves a uma solução pacífica da guerra.

Para o Vaticano é essencial não recorrer a intervenções armadas, fazer atuar a diplomacia e acalmar os grupos armados apoiados pelo Irão.

O presidente Rohani respondeu a estas preocupações ainda antes de se reunir com Jorge Bergoglio.

Durante a manhã, num encontro com empresários italianos e iranianos, Rohani afirmou que o Irão não intervém nos assuntos internos de outros países e não pretende invadir qualquer país da região. Teerão é acusada de apoiar grupos armados na Síria e no Líbano.

"O Irão é o país mais seguro e mais estável de toda a região", garantiu.

O comunicado da Igreja Católica destacou ainda "os valores espirituais comuns" entre catolicismo e o islão xiita, e "o bom relacionamento" entre o Vaticano e o Irão, ao longo de 79 anos.

O antigo presidente iraniano Mohammad Khatami visitou, em 1999, o papa João Paulo II.

Na segunda-feira, Rohani e o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, assistiram à assinatura de vários contratos, num montante global de cerca de 17 mil milhões de euros.

O presidente iraniano visita ainda o Coliseu em Roma, antes de partir para Paris, onde é esperado pelo homólogo francês, François Hollande, e onde tem previstos encontros com dezenas de empresários.

Lusa

  • Família Aveiro na inauguração do Aeroporto Cristiano Ronaldo
    2:34

    País

    A decisão de dar o nome de Cristiano Ronaldo ao aeroporto da Madeira divide opiniões. Contudo, na cerimónia de inauguração desta quarta-feira só se ouviram aplausos. Os madeirenses juntaram-se à porta do aeroporto para ver e receber o melhor jogador do mundo. Também a família do jogador esteve na Madeira para apoiar Ronaldo.

  • A (polémica) mudança de nome do aeroporto da Madeira
    2:00

    País

    O aeroporto da Madeira é desde esta quarta-feira aeroporto Cristiano Ronaldo. O Presidente da República e o primeiro-ministro estiveram juntos na homenagem ao futebolista. A alteração não é consensual entre os madeirenses.

  • O busto de Ronaldo que virou piada no mundo inteiro
    2:04

    País

    No dia em que foi formalizado o novo nome do aeroporto da Madeira, foi também conhecido o busto em bronze de Cristiano Ronaldo e que, desde logo, começou a provocar reações em todo o mundo. As críticas da imprensa internacional não são propriamente positivas e a internet aproveitou para dar contornos humorísticos à criação.

  • A história de um dos maiores fãs de Cristiano Ronaldo
    5:52

    Desporto

    Um dos maiores fãs de Cristiano Ronaldo não perdeu a oportunidade de se deslocar à Madeira, para conhecer o ídolo e o local onde Cristiano nasceu e cresceu. Lucas Mendes é brasileiro, tem apenas 23 anos e criou a página de fãs de Ronaldo mais seguida no Brasil.

  • Os seus descontos para a Segurança Social estão em ordem?
    7:50
    Contas Poupança

    Contas Poupança

    4ª FEIRA JORNAL DA NOITE

    Os portugueses estão cada vez mais preocupados com a reforma. O valor que se vai receber depende dos descontos que se fizerem para a Segurança Social. Mas há contabilistas que cometem burlas com o dinheiro dos clientes, há esquecimentos, e empresas que deixam de pagar as contribuições por falta de verbas. O Contas Poupança explica-lhe como pode ver neste instante se todos os seus descontos estão nos cofres da Segurança Social, e corrigir algum erro antes que seja tarde demais.

  • "Não há razão para fingirmos que hoje é um dia feliz"
    1:55

    Brexit

    Depois de receber esta quarta-feira a notificação do Brexit, o presidente do Conselho Europeu antecipou negociações difíceis. Donald Tusk diz que agora é preciso minimizar os prejuízos para os cidadãos europeus e para as empresas.

  • "Não há recuo possível"
    2:30

    Brexit

    O processo de saída do Reino Unido da União Europeia começou esta quarta-feira, com a ativação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa. A notificação de Theresa May foi feita por carta a Donald Tusk e a primeira-ministra disse que não recuo possível. O processo de negociações levará dois anos e a saída do Reino Unido da União Europeia ficará concluída em 2019.