sicnot

Perfil

Mundo

Rússia duvida que Coreia do Norte tenha detonado "bomba H"

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, afirmou hoje que Moscovo duvida que a Coreia do Norte tenha detonado uma bomba de hidrogénio (bomba H), como assegura Pyongyang.

reuters

"Não estamos seguros de que se trate de um ensaio de uma bomba de hidrogénio", disse o chefe da diplomacia russa numa conferência de imprensa.

No passado dia 06, a Coreia do Norte anunciou ter realizado com êxito o ensaio da sua primeira bomba de hidrogénio, o quarto teste nuclear do regime de Pyongyang desde 2006.

Mas caso tenha acontecido, considerou Lavrov, significa que as resoluções do Conselho de Segurança que proíbem o abastecimento de materiais e tecnologias nucleares a Pyongyang "são ineficazes".

"Se foi um teste de um dispositivo nuclear corrente (...) quer dizer que as nossas restrições funcionam", adiantou.

O chefe da diplomacia russa assinalou que a solução para o problema nuclear da península da Coreia passa por determinar que ninguém tenha armas nucleares no território.

"(...) nem a Coreia do Norte, nem a Coreia do Sul, nem os Estados Unidos, que não deve levar novamente para lá elementos do seu arsenal nuclear", precisou.

Sobre a proposta de Seul de se realizar uma reunião do grupo dos seis para a regularização do problema nuclear na península coreana (Rússia, Estados Unidos, China, Japão e as duas Coreias), excluindo a parte norte-coreana, Lavrov disse que não lhe parecia uma boa ideia, por significar que "se está novamente a tentar isolar alguém".

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.