sicnot

Perfil

Mundo

Uma em cada nove crianças vive em zonas de conflito

Cerca de 250 milhões de crianças no mundo, o equivalente a uma em cada nove, vivem em países afetados por conflitos, lamentou esta terça-feira a UNICEF, pedindo perto de três mil milhões de dólares para ajudar as mais vulneráveis.

A agência da ONU indicou que precisará em 2016 de 2,8 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros) para ajudar as crianças. (Arquivo)

A agência da ONU indicou que precisará em 2016 de 2,8 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros) para ajudar as crianças. (Arquivo)

© Stoyan Nenov / Reuters

"O número de crianças envolvidas nas crises humanitárias em todo o mundo é impressionante e consternador", considerou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

A agência da ONU indicou que precisará em 2016 de 2,8 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros) para ajudar as crianças.

Precisou que o seu orçamento duplicou em três anos, com os conflitos e as condições meteorológicas extremas a forçarem um número crescente de crianças a deixarem as suas casas e a exporem milhões de outros a graves falhas alimentares, à violência, às doenças e aos abusos.

"Cerca de uma criança em cada nove no mundo vive atualmente nas zonas de conflito", salientou a UNICEF num comunicado. O ano passado, estas crianças "tinham um risco duas vezes maior de morrer de doenças que poderiam ser evitadas antes dos cinco anos".

A verba pedida pela UNICEF permitiria ajudar 76 milhões de pessoas, entre as quais 43 milhões de crianças, em 63 países.

A maior parte da ajuda -- perto de 1,2 mil milhões de dólares -- será dedicada à Síria, devastada por uma guerra civil com cinco anos, e aos cerca de quatro milhões de sírios refugiados nos países vizinhos, indicou.

A agência disse ainda que um quarto da ajuda que pretende prestar se destina à educação das crianças em situações de emergência, com o objetivo de fazer aumentar o seu número de 4,9 milhões em 2015 para 8,2 milhões este ano.

Foi provado que "se uma criança não vai à escola durante cinco anos, perde-se uma geração", declarou à imprensa Sikander Khan, um dos diretores da UNICEF.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.