sicnot

Perfil

Mundo

Artista chinês encerra exposição contra lei que permite confiscar valores aos refugiados

O artista dissidente chinês Ai Weiwei anunciou hoje o encerramento da exposição que tinha patente em Copenhaga em protesto pela adoção da polémica lei sobre imigração que permite a confiscação de valores aos refugiados.

© TT News Agency / Reuters

"Ai Weiwei decidiu encerrar a sua exposição 'Ruptures' na Fundação Faurschou em Copenhaga, Dinamarca. A decisão foi tomada na sequência da aprovação no parlamento dinamarquês da proposta de lei que permite a confiscação de valores e adia o reagrupamento familiar dos candidatos a asilo", lê-se numa mensagem colocada nas contas oficiais do artista no Facebook e no Instagram.

A exposição, inaugurada em março de 2015, deveria decorrer até meados de abril de 2016.

"Apoio a decisão de Ai Weiwei, é uma questão de liberdade e de direitos humanos. Penso que isto é verdadeiramente muito triste", disse o dono da galeria, Jens Faurschou, à agência France Presse.

A lei, proposta por um partido anti-imigração e aprovada com os votos da direita e dos sociais-democratas, foi muito criticada pela confiscação dos bens, comparada por alguns à espoliação dos judeus pelo regime nazi, e pelo adiamento do direito ao reagrupamento familiar, considerado por juristas como contrário a várias convenções internacionais.

Artista polivalente e ativista dos direitos humanos, Ai Weiwei, 58 anos, esteve preso três meses na China e privado do passaporte nos quatro anos seguintes devido às críticas que fez ao governo de Pequim. Só em julho passado pode voltar a viajar para o estrangeiro.

"Quando ele vivia na China, apontava os problemas de lá. Agora vive na Europa, aponta os daqui. Ele tem uma voz global", disse o galerista à BBC.

Já anteriormente, Ai Weiwei tinha manifestado solidariedade com os migrantes que tentam chegar à Europa, anunciando a intenção de construir um monumento na ilha grega de Lesbos em memória dos que morrem na travessia do Mediterrâneo.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.