sicnot

Perfil

Mundo

Artista chinês encerra exposição contra lei que permite confiscar valores aos refugiados

O artista dissidente chinês Ai Weiwei anunciou hoje o encerramento da exposição que tinha patente em Copenhaga em protesto pela adoção da polémica lei sobre imigração que permite a confiscação de valores aos refugiados.

© TT News Agency / Reuters

"Ai Weiwei decidiu encerrar a sua exposição 'Ruptures' na Fundação Faurschou em Copenhaga, Dinamarca. A decisão foi tomada na sequência da aprovação no parlamento dinamarquês da proposta de lei que permite a confiscação de valores e adia o reagrupamento familiar dos candidatos a asilo", lê-se numa mensagem colocada nas contas oficiais do artista no Facebook e no Instagram.

A exposição, inaugurada em março de 2015, deveria decorrer até meados de abril de 2016.

"Apoio a decisão de Ai Weiwei, é uma questão de liberdade e de direitos humanos. Penso que isto é verdadeiramente muito triste", disse o dono da galeria, Jens Faurschou, à agência France Presse.

A lei, proposta por um partido anti-imigração e aprovada com os votos da direita e dos sociais-democratas, foi muito criticada pela confiscação dos bens, comparada por alguns à espoliação dos judeus pelo regime nazi, e pelo adiamento do direito ao reagrupamento familiar, considerado por juristas como contrário a várias convenções internacionais.

Artista polivalente e ativista dos direitos humanos, Ai Weiwei, 58 anos, esteve preso três meses na China e privado do passaporte nos quatro anos seguintes devido às críticas que fez ao governo de Pequim. Só em julho passado pode voltar a viajar para o estrangeiro.

"Quando ele vivia na China, apontava os problemas de lá. Agora vive na Europa, aponta os daqui. Ele tem uma voz global", disse o galerista à BBC.

Já anteriormente, Ai Weiwei tinha manifestado solidariedade com os migrantes que tentam chegar à Europa, anunciando a intenção de construir um monumento na ilha grega de Lesbos em memória dos que morrem na travessia do Mediterrâneo.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51