sicnot

Perfil

Mundo

Artista chinês encerra exposição contra lei que permite confiscar valores aos refugiados

O artista dissidente chinês Ai Weiwei anunciou hoje o encerramento da exposição que tinha patente em Copenhaga em protesto pela adoção da polémica lei sobre imigração que permite a confiscação de valores aos refugiados.

© TT News Agency / Reuters

"Ai Weiwei decidiu encerrar a sua exposição 'Ruptures' na Fundação Faurschou em Copenhaga, Dinamarca. A decisão foi tomada na sequência da aprovação no parlamento dinamarquês da proposta de lei que permite a confiscação de valores e adia o reagrupamento familiar dos candidatos a asilo", lê-se numa mensagem colocada nas contas oficiais do artista no Facebook e no Instagram.

A exposição, inaugurada em março de 2015, deveria decorrer até meados de abril de 2016.

"Apoio a decisão de Ai Weiwei, é uma questão de liberdade e de direitos humanos. Penso que isto é verdadeiramente muito triste", disse o dono da galeria, Jens Faurschou, à agência France Presse.

A lei, proposta por um partido anti-imigração e aprovada com os votos da direita e dos sociais-democratas, foi muito criticada pela confiscação dos bens, comparada por alguns à espoliação dos judeus pelo regime nazi, e pelo adiamento do direito ao reagrupamento familiar, considerado por juristas como contrário a várias convenções internacionais.

Artista polivalente e ativista dos direitos humanos, Ai Weiwei, 58 anos, esteve preso três meses na China e privado do passaporte nos quatro anos seguintes devido às críticas que fez ao governo de Pequim. Só em julho passado pode voltar a viajar para o estrangeiro.

"Quando ele vivia na China, apontava os problemas de lá. Agora vive na Europa, aponta os daqui. Ele tem uma voz global", disse o galerista à BBC.

Já anteriormente, Ai Weiwei tinha manifestado solidariedade com os migrantes que tentam chegar à Europa, anunciando a intenção de construir um monumento na ilha grega de Lesbos em memória dos que morrem na travessia do Mediterrâneo.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

    Em desenvolvimento

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lages
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes. Os passageiros desembarcaram, como registou no Twiiter um jornalista da Al-Jazzera que seguia a bordo. Segundo este depoimento, uma pessoa foi levada para o hospital com problemas cardíacos.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.