sicnot

Perfil

Mundo

Dois milhões de líbios precisam de assistência médica urgente

Quase dois milhões de pessoas precisam de assistência médica urgente na Líbia, país onde mais de 20% dos hospitais estão fechados e que regista um aumento das doenças infecciosas, alertou hoje o ministro da Saúde líbio.

Hospital bombardeado em Benghazi.

Hospital bombardeado em Benghazi.

© Esam Al-Fetori / Reuters

Mesmo nos hospitais que continuam a funcionar, é notória uma "carência extrema" de pessoal e uma "muito escassa" disponibilidade de medicamentos e de vacinas, disse Reida El Oakley numa conferência de imprensa em Genebra.

"O sistema de vigilância médica colapsou", disse, referindo que foi detetado um aumento dos casos de tuberculose, malária, sida e outras doenças.

A situação é agravada pelo "fluxo de imigrantes da África [subsaariana] que não cessa", pessoas que não são sujeitas a qualquer tipo de controlo sanitário.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas 37 por cento dos centros de cuidados primários na Líbia estão a funcionar em pleno. Dos restantes, 10% não funcionam, 4% estão a ser reabilitados e 49% funcionam parcialmente.

Apesar destes dados, lamentou o ministro líbio, "o Banco Mundial continua a considerar a Líbia um país rico porque tem petróleo".

"Há uns anos, sim, vendíamos 1,7 milhões de barris de petróleo por dia, mas agora só [são vendidos] uns 300.000. Se fosse considerado um país pobre, podia receber ajuda da GAVI [parceria para a vacinação] ou dos fundos para a luta contra a malária, a sida e a tuberculose. Assim não", explicou.

Por outro lado, prosseguiu, o facto de a ONU considerar a Líbia "um país de alto risco", faz com que "nenhum funcionário internacional permaneça" no país.

"Além dos problemas políticos do país e do eventual acordo para um governo de união nacional, o mundo deve reconhecer e reagir à emergência humanitária", apelou.

A Líbia vive uma situação de caos devido à guerra civil que se seguiu à revolução de 2011. Desde as últimas eleições, o país tem dois governos, um, em Tobruk, reconhecido pela comunidade internacional e outro, em Tripoli, apoiado por milícias tribais.

Esta semana, o parlamento de Tobruk votou contra um governo de união nacional formado com base num acordo mediado pela ONU, pelo que o processo continua num impasse.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28