sicnot

Perfil

Mundo

Liberdade diminui pelo 10º ano consecutivo

A organização não-governamental Freedom House considera que várias crises simultâneas em 2015 aumentaram os sentimentos xenófobos nas democracias e as pressões dos ditadores sobre contestatários, resultando na diminuição das liberdades no mundo pelo 10.º ano consecutivo.

© Lucas Jackson / Reuters

No seu relatório relativo ao ano passado que foi hoje divulgado, a Freedom House - que leva 75 anos de existência - indica que as democracias na Europa e nos Estados Unidos tiveram dificuldades em lidar com conflitos fora das suas fronteiras, como a guerra civil na Síria. Este conflito - responsável por milhares de mortos naquele território e em países fronteiriços gerou igualmente uma onda de refugiados para os países mais desenvolvidos em em paz a ocidente, mas também alimentou grupos terroristas que, por sua vez, organizaram e fomentaram ataques terroristas noutros países.

Assim, nota a Freedom House, estas preocupações levaram os países democráticos a reações "populistas e, muitas vezes, preconceituosas", bem como novas medidas de segurança, que - em ambos os casos - "ameaçam os valores centrais de sociedades abertas".

"Em primeiro lugar [notou-se] uma falta de habilidade a nível mundial de apresentar uma estratégia unificada e credível para lidar com a mortífera guerra na Síria e com a crise de refugiados que se gerou", escreve a Freedom House.

Tendo "falhado" no apoio ao regime moderado que se opunha ao presidente Bashar Al-Assad nas primeiras fases do conflito, "os Estados Unidos e a Europa são agora confrontados com uma crise de proporções globais", que representa "o mais complexo desafio à paz e à estabilidade" dos próximos anos.

Por outro lado, registaram-se em 2015 desenvolvimentos positivos em alguns países, sobretudo a nível político. Na Nigéria, na Venezuela e em Myanmar realizaram-se eleições que afastaram ou diminuiram o poder dos vários regimes, dando "uma oportunidade a novos parlamentos ou novos a líderes [da oposição] de enfrentarem a corrupção, a decadência económica ou problemas securitários".

Do ponto de vista económico, o abrandamento do crescimento na China - conjugado com uma desvalorização dos mercados acionistas e desvalorização da moeda - diminuiu o preço de produtos como o petróleo e outras "commodities", diminuindo bruscamente as receitas de exportações de muitas ditaduras em todo o mundo, "o que ameaça os alicerces económicos em que assentam a sua legitimidade".

"O preço do petróleo - que também baixou devido à recusa da Arábia Saudita de diminuir a sua produção e ao aumento da produção de longo prazo dos Estados Unidos - ameaçou a saúde económica de petro-Estados como Angola ou o Azerbeijão", adiantou a ONG.

Confrontados com a possível "diminuição dos gastos e um retrocesso nos padrões de vida - e com o aumento das pressões sociais relacionadas - muitos desses regimes apertaram os ativistas de direitos humanos e outros críticos".

O relatório constata assim um aumento do número de países que pioraram a sua nota face ao ano de 2014, com a Síria, o Tibete, a Somália e a Coreia do Norte entre "os piores entre os piores".

No entanto, 69% da população mundial vive em sistemas democráticos, com a Índia, os Estados Unidos e o Brasil como as três grandes nacões democráticas do mundo, em termos de população.

Três países entraram na classificação de país "livre" em 2015: a Costa do Marfim, a Nigéria e o Sri Lanka. Outros três perderam esse nível: Honduras, Macedónia e as Maldivas.

Lusa

  • Sismo abala centro de Itália

    Mundo

    A capital da Itália foi esta manhã sacudida por três sismos em apenas uma hora, de entre 5,3 e 5,7 na escala de Richter, não havendo até ao momento registo de vítimas.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Bebé nasce na Ucrânia com ADN de três pais

    Mundo

    Nasceu a 5 de janeiro, na Ucrânia, uma menina filha de um casal infértil graças à ajuda de uma nova técnica de fertilização in vitro, que conta com a colaboração de uma terceira pessoa. De acordo com o britânico The Times, os médicos utilizaram pela primeira vez um método denominado transferência pronuclear. Esta não é, contudo, a primeira vez que nasce um bebé com ADN de três progenitores.

  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".