sicnot

Perfil

Mundo

Polícia exige retirada de ocupantes de reserva no Oregon para evitar "banho de sangue"

As autoridades policiais do condado de Harney, Estados Unidos, exigiram esta quarta-feira a retirada dos últimos ocupantes de uma reserva natural no Oregon (oeste), para evitar um "banho de sangue".

Ammon Bundy (em cima, à esquerda), que liderou o protesto, foi um dos detidos. Bundy explicou que as suas ações foram motivadas pelo pedido de um rancheiro que queria levar as suas 600 cabeças de gado a pastar numa propriedade federal, mas foi impedido de o fazer quando os Serviços de Pescas e Vida Selvagem dos Estados Unidos instalaram ali uma vedação.

Ammon Bundy (em cima, à esquerda), que liderou o protesto, foi um dos detidos. Bundy explicou que as suas ações foram motivadas pelo pedido de um rancheiro que queria levar as suas 600 cabeças de gado a pastar numa propriedade federal, mas foi impedido de o fazer quando os Serviços de Pescas e Vida Selvagem dos Estados Unidos instalaram ali uma vedação.

© Handout . / Reuters

"Já é tempo, para todos, que termine esta ocupação ilegal. Não deve haver um banho de sangue na nossa comunidade", declarou em conferência de imprensa o xerife David Ward, numa referência aos manifestantes que contestam a autoridade do Governo federal.

As declarações do responsável local ocorreram um dia após uma operação policial contra os ativistas, com um balanço de um morto e seis detenções entre os ocupantes das instalações do parque natural.

Ammon Bundy, que liderou o protesto, foi um dos detidos. Bundy explicou que as suas ações foram motivadas pelo pedido de um rancheiro que queria levar as suas 600 cabeças de gado a pastar numa propriedade federal, mas foi impedido de o fazer quando os Serviços de Pescas e Vida Selvagem dos Estados Unidos instalaram ali uma vedação.

A ocupação da reserva natural de Malheur, no Oregon, começou a 2 de janeiro, no seguimento de uma manifestação de apoio a dois rancheiros locais, Dwight Hammond e o seu filho Steven, de 73 e 46 anos, respetivamente, que foram condenados por queimadas não autorizadas em território federal em 2001 e 2006.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.